Pecuária: Frigoríficos diminuem encomendas de bois para entrega futura

Foto: Bahia Farm Show/Divulgação

A pecuária brasileira vive um momento diferente na comercialização neste ano, segundo o Broadcast. “A negociação de bois a termo – modalidade na qual a indústria “encomenda” ao pecuarista determinado número de bovinos para entrega num prazo combinado e com valor prefixado no mercado futuro do boi gordo na B3 – parece ter mudado este ano em relação a anteriores, comentam fontes do mercado”, informa reportagem assinada por Sandy Oliveira. Isso porque os frigoríficos têm modificado sua estratégia para garantir animais para abate no segundo semestre.

“Uma das fontes reconhece que este ano, de fato, não está normal” no que diz respeito aos contratos fechados entre as partes”, diz a reportagem. “Um fator para essa mudança tem a ver com a suspensão, no ano passado, das vendas de carne bovina para a China por cerca de três meses, que deixou frigoríficos mais cautelosos na hora de encomendar bois para abate futuro. Recentemente, aliás, o gigante asiático tem suspendido várias unidades de abate de bovinos no Brasil, o que também gera apreensão.”

Ainda de acordo com o Broadcast, “na ponta produtora, pecuaristas relatam que, de fato, as condições de negociação de bois a termo com a indústria mudaram. Além da dificuldade e redução dos contratos, outro movimento que vem sendo observado é que os frigoríficos têm preferido arrendar, eles mesmos, unidades de confinamento para engordar boiadas próprias.”

Leia, abaixo, a reportagem completa do Broadcast:

Frigoríficos reduzem negociação a termo e arrendam confinamentos, dizem participantes”

“A negociação de bois a termo – modalidade na qual a indústria “encomenda” ao pecuarista determinado número de bovinos para entrega num prazo combinado e com valor prefixado no mercado futuro do boi gordo na B3 – parece ter mudado este ano em relação a anteriores, comentam fontes do mercado. Segundo esses participantes, frigoríficos têm modificado sua estratégia para garantir animais para abate no segundo semestre. Uma das fontes reconhece que este ano, de fato, “não está normal” no que diz respeito aos contratos fechados entre as partes.

Um fator para essa mudança tem a ver com a suspensão, no ano passado, das vendas de carne bovina para a China por cerca de três meses, que deixou frigoríficos mais cautelosos na hora de encomendar bois para abate futuro. Recentemente, aliás, o gigante asiático tem suspendido várias unidades de abate de bovinos no Brasil, o que também gera apreensão. Na ponta produtora, pecuaristas relatam que, de fato, as condições de negociação de bois a termo com a indústria mudaram – além da dificuldade e redução dos contratos, outro movimento que vem sendo observado é que os frigoríficos têm preferido arrendar, eles mesmos, unidades de confinamento para engordar boiadas próprias.

A diretora da Agrifatto, Lygia Pimentel, confirma que os frigoríficos vêm verticalizando a produção e ido atrás do arrendamento de estruturas de confinamento. “Esse movimento concentrou a engorda em grandes produtores”, avalia. “Mas trouxe outra solução aos frigoríficos, que é a padronização de carcaça. (Compradores) se tornam responsáveis pela terminação do animal e controlam a padronização dessa carcaça, que é algo desejável”, acrescenta.

A Fazenda Santa Fé, localizada em Goiânia (GO), que confinou 72 mil animais no ano passado, de bois padrão exportação, confirma a queda nas “encomendas” de boiadas por parte da indústria neste ano. Ele conta que viu o número de negociações da modalidade de boi a termo cair 90% de 2021 para 2022. O proprietário da fazenda, Pedro Merola, também acha que o mercado está “mudado” este ano. “Não está mais tão fácil travar (o preço do boi gordo no mercado futuro da B3) com a indústria”, diz o pecuarista. “Está bem complicado.” Ele acrescenta que, se o pecuarista “pedir muito” para a indústria travar preços na B3, ela aceita, “mas as condições mudaram muito”. “No ano passado, a gente conseguia, por exemplo, travar o preço da arroba de São Paulo em Goiás”, comenta Merola – sendo que a arroba em Goiás é mais barata do que a de São Paulo. “Mas, hoje, (frigoríficos) estão mais medrosos com os preços futuros e o referencial”, avalia.

Sobre o “referencial”, Merola exemplifica que, no ano passado, pecuaristas negociavam com os frigoríficos com base nos preços futuros da B3, em São Paulo, para um referencial (ou seja, desconto) que poderia alcançar R$ 8 por arroba. “Se a arroba negociada no futuro estava em R$ 330 quando o contrato foi fechado, o pecuarista receberia um desconto de R$ 8, ou R$ 322 por arroba na data de entrega da boiada”, comenta. “Hoje, se a gente for forçar (a negociação com a indústria), o referencial vai ser menos R$ 15, menos R$ 20 por arroba.” Assim, se Merola confinava 72 mil animais por ano, este ano pretende confinar reduzir um pouco a aposta, engordando no cocho entre 69 mil e 70 mil animais.

O Boitel São Lucas, localizado em Goiás, que confina cerca de 15 mil animais por ano, vem realizando, ao longo das últimas semanas, volume considerável de negócios a termo, diz o gestor do confinamento da empresa, Rogério Togo. Mas não com todos os frigoríficos.

Ele diz que as operações têm sido feitas, na maioria absoluta, com a Minerva. “É o único frigorífico que tem dado abertura para nós”, afirma ele, sobre essa modalidade de venda de bois gordos. Ele acrescenta que JBS e Marfrig não têm oferecido a opção a termo, mas aceitam pagar as boiadas com base no índice Cepea de Mato Grosso, somente no dia de entrega dos lotes ao frigorífico. Para Togo, porém, a modalidade proposta por essas indústrias “não fica interessante”, porque “perde a função de proteção”. Para confinar animais, pecuaristas costumam, para se proteger de oscilações de preços da arroba, tomar como base os preços sinalizados no mercado futuro do boi gordo na B3 no momento de entrega dos lotes prontos. Assim, conseguem uma previsibilidade de lucro a partir do cálculo de todos os custos de produção e do preço da arroba futura, na hora de entrega do animal para abate. É este preço futuro que os pecuaristas costumam fechar com os frigoríficos na negociação de bois a termo.

Lygia Pimentel, da Agrifatto, diz que JBS e Marfrig contam com confinamento próprio, enquanto Minerva ainda trabalha com confinadores parceiros. Mesmo assim, com a tradicional oferta restrita de boiadas no segundo semestre, por causa da seca nos pastos, ela avalia que a quantidade de negociações a termo pode subir. “Pode surgir uma certa urgência entre os frigoríficos em fazer negócios antecipados, mas não muito, porque eles têm se abastecido por meio de outros mecanismos.”

Do lado das indústrias, o gerente de Compra de Gado da Marfrig, Maurício Manduca, confirma ao Broadcast Agro que a modalidade de negociação de boi a termo “perdeu um pouco de força nos últimos anos”. Segundo ele, “existem produtores que faziam esse tipo de operação, mas, com a alta dos preços da arroba, que ficou acima do previamente combinado, acabaram deixando de ganhar em algum momento”, continua ele, afirmando ainda que o boi a termo “tem perdido a atratividade ao produtor”. Manduca disse ainda que, “em alguns momentos, o mercado opera (bois a termo), em outros não”. “A gente analisa caso a caso, depende muito do momento. Nos últimos anos já operamos (boi a termo) e deixamos de operar.”

O diretor de operações da Frigol, Orlando Henrique Negrão, avalia que a demanda pela “trava” de preços futuros na B3 pode aumentar, caso os valores dos contratos futuros do boi gordo na bolsa paulista apontem tendência de alta. Para ele, a negociação garantirá ao pecuarista a cobertura dos custos com o confinamento, eliminando o risco de se deparar com a volatilidade do mercado físico. Apesar da resistência de seus pares, Negrão defende que a negociação a termo é interessante aos frigoríficos, já que traz a garantia de fornecimento de animais prontos para abate e uma previsibilidade de custos de aquisição. JBS e Minerva foram procuradas pelo Broadcast Agro mas informaram que não falariam sobre o assunto.

Já o pesquisador Thiago Bernardino, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), comenta que a adoção dos contratos a termo é mais demandada quando há oscilações frequentes de preços da arroba no mercado físico do boi gordo. “Neste momento, com o mercado mantendo o preço do boi em um nível mais elevado, o pecuarista começa a se movimentar na busca dessa ferramenta”, diz.

No mercado há um dilema sobre se os frigoríficos estão realmente abastecidos apenas pelos mecanismos que adotaram ou se vão recorrer de forma imponente às negociações a termo no segundo semestre do ano. Para o superintendente de Commodities da B3, Louis Gourbin, diante dos riscos da manutenção do cenário de escassez de oferta de animais, indústrias operam negociações associadas aos preços futuros e somando um bônus de prêmio na precificação para entrega de animais entre julho e setembro deste ano.

O analista de mercado da IHS Markit, Renan Araújo, confirma o cenário e observa que frigoríficos atuam para garantir uma oferta mínima de animais na segunda metade do ano, justamente quando a demanda externa é mais aquecida. “Buscam de forma antecipada, junto à cadeia de produção, reduzindo, em parte, o panorama pessimista atual quanto ao segundo giro de confinamento neste ano”, comenta. Ele aponta que os frigoríficos, aqueles que estão fazendo o contrato a termo, estão pagando além do valor futuro, um valor de prêmio. “Há casos de R$ 5, R$ 7 e até R$ 10 por arroba como um prêmio de garantia de oferta lá na frente”, explica. Araújo lembra que, ainda assim, os custos elevados podem pressionar as margens do produtor. “Quem tem caixa vai conseguir segurar e aproveitar as altas. É uma questão de ponderar o risco-retorno, só que para o curtíssimo prazo os preços estão em uma toada significativa por causa da oferta reduzida de animais prontos para abate”, comenta.

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: