Brasil precisa ser tão competitivo quanto o setor agrícola, diz Flávio Rocha em encontro com a FPA

Em reunião com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), nesta terça-feira (27), o empresário Flávio Rocha, candidato à Presidência da República pelo PRB, afirmou que a competitividade deve ser tratada como palavra de ordem para o desenvolvimento do país. “Não sou especialista em agronegócio, mas se tem algo que o setor sabe fazer muito bem é ser competitivo e, com isso, gerar riqueza e renda ao Brasil, alavancando a economia nacional e internacional”, disse o empresário.

Rocha ressaltou que o Brasil vem se tornando um país hostil, perdendo posições importantes no ranking de competitividade mundial e que para avançar é necessária uma reforma de Estado, seja ela tributária, trabalhista, previdenciária ou legislativa para assegurar uma economia livre e mercados em pé de igualdade.

Quando se perde a livre iniciativa na economia, o cerco burocrático ganha força e trava o nosso desenvolvimento, nossa geração de riqueza. Essa reforma nos garante a competitividade que precisamos. O Brasil está com o freio de mão puxado”, destacou o presidenciável.

A presidente da FPA, deputada Tereza Cristina (DEM-MS), enfatizou que as ideias de Flávio Rocha vão ao encontro de duas pautas prioritárias ao setor: condições favoráveis ao aumento da competitividade brasileira e segurança jurídica.

“Precisamos de uma política calçada no equilíbrio e uniformidade tanto para o setor produtivo nacional quanto para o país. Hoje, enfrentamos um nível extenso de burocracia, incentivos fiscais com alta taxa de juros, mercados desiguais e legislações que não trazem segurança jurídica ao cidadão”, defendeu.

O próximo convidado da FPA será senador Álvaro Dias, também candidato ao Planalto. “Nosso papel é receber todos e escutar as propostas de cada um. O que queremos é progresso para o país e melhores cenários sociais e econômicos para a sociedade e para o setor agropecuário”, afirmou Tereza Cristina.

Mercado externo

Membros da FPA reforçaram a necessidade premente de se ajustar as normas que regem os acordos comerciais internacionais entre o Brasil e outros países. Segundo o deputado Marcos Montes (PSD-MG), há uma enorme dificuldade do país em manter sua competitividade frente a outros países. “Isso precisa mudar. O Brasil tem uma posição no mercado externo com regras, em sua maioria, arbitrárias e desleais”, salientou Montes.

Para o deputado Sérgio Souza (PMDB-PR), o Brasil se encontra em nível de enorme desigualdade nas regras comerciais internacionais. Segundo ele, falta isonomia na importação, por exemplo, de insumos do Mercosul e nos custos de produção entre os produtores do bloco. O parlamentar assinala que o agricultor brasileiro está pagando, em média, 86% a mais na compra de seus insumos agrícolas, quando comparados com os custos de aquisição por seus concorrentes da Argentina e Uruguai.

Quanto ao mercado interno, o deputado Alfredo Kaefer (PSL-PR) foi enfático ao dizer que a alta carga tributária, alta taxa de juros e os poucos incentivos que o governo fornece aos setores produtivos no Brasil também é um entrave ao desenvolvimento socioeconômico. “Só para se ter uma ideia, o custo para se produzir grãos no Brasil chega a ser, em média, 79% mais caro que na Argentina e 32% mais caro que no Uruguai”, afirmou Kaefer.

 

Foto: Divulgação/FPA

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: