Vazio sanitário da soja no Distrito Federal começa em 1º de julho

vazio-soja-28092017-gabriel-jabur-agencia-brasilia-768x510
Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília/Arquivo

O vazio sanitário da soja começa dia 1º de julho no Distrito Federal. Por 90 dias, as áreas de cultivo não podem ter a presença do vegetal. A medida é fundamental para impedir que o fungo Phakopsora pachyrhizi espalhe a ferrugem asiática nas plantações de soja e cause prejuízos à cultura.

Cerca de 250 produtores rurais devem manter aproximadamente 70 mil hectares de plantações sem a presença da planta da soja até 30 de setembro. Os agricultores que desobedecerem a recomendação estão sujeitos à multa que varia de R$ 15 mil a R$ 50 mil.

O período é determinado pelo tempo que o fungo leva para morrer sem a presença das plantas. Ele não sobrevive por mais de 60 dias. Para se certificar de que a quantidade dos esporos diminua com o vazio, a Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) estabelece 90 dias de proibição.

A gerente de Sanidade Vegetal da Seagri-DF, Marília Angarten, explica que o vazio é planejado para que tenha pouco efeito na colheita local. “A produção de soja depende das chuvas e vai de cerca de outubro até janeiro. Assim, o impedimento não prejudica os produtores.”

Como o fungo se espalha pelo vento, é preciso cuidar para que nenhum grão cresça, pois pode ser o foco para dispersão dos esporos na área de plantio.

Se o produtor encontrar sintomas iniciais da doença na plantação fora do vazio sanitário, deve fazer o controle químico o mais rápido possível. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) observou uma redução da eficiência de fungicidas na safra de 2007 e 2008.

Com isso, cem produtos recomendados para o controle do Phakopsora pachyrhizi foram suspensos em 2016 e em 2017. Sem a perspectiva de novos químicos para o controle da doença, o vazio sanitário se tornou a opção mais viável para a prevenção.

A semeadura de soja pode ser feita durante o vazio sanitário nos seguintes casos excepcionais, mediante assinatura do termo de compromisso e responsabilidade e apresentação de plano de trabalho simplificado para a secretaria: produção de plantas destinadas à pesquisa científica; produção de materiais genéticos; portaria estabelecendo novas regras para o vazio sanitário.

Com o objetivo de dar continuidade e aprimorar o vazio sanitário, a Secretaria da Agricultura atualizou as normas por meio da Portaria nº 26, de 6 de junho de 2018. Entre as mudanças, está a possibilidade de fazer a declaração anual da exploração de soja pelo site da pasta. Assim, os produtores não têm de ir até a sede para cumprir o procedimento. O período de entrega do documento é de 1º de outubro a 15 de janeiro.

Outra alteração é na própria declaração, que passa a requerer informações sobre as culturas já existentes — antes, era sobre a intenção do produtor.

A portaria também prevê que o produtor deve informar caso encontre uma planta em que o fungo resista a um agrotóxico. Além disso, obriga o fornecedor a comprovar que tem condições para fazer plantio excepcional durante o vazio sanitário.

Vazio do feijão começará em 20 de setembro

Outra plantação que requer a prevenção por meio do vazio sanitário é a do feijão, que começará em 20 de setembro e irá até 20 de outubro.

Diferentemente da soja, a leguminosa sofre com a disseminação do vírus mosaico dourado, que se espalha com a mosca-branca. O inseto se alimenta da seiva do feijão e se reproduz com a presença da mesma planta. O ciclo de 30 dias de vazio é suficiente para quebrar o ciclo reprodutivo da mosca.

“Como o controle químico não é efetivo por se tratar de um vírus, a prevenção da doença ocorre com a diminuição da presença do inseto”, diz Marília.

As equipes da Secretaria da Agricultura fiscalizarão cerca de 4 mil hectares de aproximadamente 40 produções.

Da redação, com Agência Brasília

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: