Sem tratamento das lavouras de milho, preços de vários alimentos seriam mais altos

milho renata silva embrapa 13 6 19
Estudo Cepea/Andef avalia impacto da falta de controle as plantações de milho sobre os preços dos alimentos aos consumidores – Renata Silva/Embrapa

Os choques de preços de milho, em decorrência de quedas na produção, tendem a impactar de forma mais expressiva, no varejo, os preços do fubá, leite, farinha de milho, carnes de suínos e de frangos e ovos. É o que mostra estudo feito pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, em parceria com a Andef (Associação Nacional de Defesa Vegetal, para medir os impactos sobre os preços ao consumidor pela falta de tratamento de pragas e doenças na cultura de milho.

O trabalho, divulgado nesta quinta-feira (13), avaliou os impactos econômicos da incidência de pragas e doenças nas culturas de soja, milho e algodão.  O estudo mostra a relação entre a disseminação de pragas, reduções na produtividade das lavouras e consequentes aumentos nos preços. A segunda parte da análise do Cepea/Andef trata especificamente da cultura de milho.

Segundo pesquisas do Cepea, a falta de controle da lagarta Spodoptera reduz a produção nacional em 40% no primeiro ano de convívio e, consequentemente, a menor oferta aumentaria os preços do milho em 13,6% na média nacional. O não controle do percevejo reduziria a produção em 17,4% e aumentaria os preços do milho em 5,9%. Por fim, o convívio com a cigarrinha causaria a redução na produção de 6,6% e o aumento nos preços do cereal seria de 2,2% no Brasil.

Ao assumir os respectivos aumentos nos preços do milho causados pelo não controle das pragas e elasticidades de transmissão nas cadeias produtivas, constata-se que o não controle da lagarta Spodoptera elevaria em 5% o preço do fubá disponível ao consumidor e em 4,4% o do leite.

Pesquisadores do Cepea indicam que perdas agrícolas causadas pelo não tratamento de pragas e doenças na cultura do milho trariam impactos relevantes nos aumentos dos preços disponíveis aos consumidores, penalizando toda a sociedade com maiores taxas de inflação de alimentos.

Ainda conforme os pesquisadores do Cepea, o desempenho das safras agrícolas impacta toda a sociedade, via acesso a alimentos para a população, em termos de preços, principalmente às categorias de renda mais baixa, para as quais os alimentos respondem pela maior parcela de seu orçamento familiar.

Para chegar a esse resultado, o Cepea calculou as elasticidades de transmissão de preços em cada segmento da cadeia produtiva que utiliza o milho como insumo no Brasil. Após estruturar e descrever a cadeia agroindustrial do milho e os detalhes das transações entre elos do sistema produtivo, por meio de metodologia de séries temporais, a equipe avaliou as elasticidades de transmissão de preços elo a elo.

Assim, foram identificadas a magnitude e a velocidade de transmissão de choques nos preços do cereal sobre os preços ao consumidor final, via Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de diferentes produtos adquiridos pelo consumidor e que utilizam o milho como insumo.

Clique aqui para obter mais informações sobre o Estudo Especial sobre Mensuração econômica da incidência de pragas e doenças no Brasil.

Da redação, com informações do Cepea

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: