Indicador do algodão retoma patamar registrado antes da pandemia no Brasil

Foto: Abapa/Divulgação

No geral, segundo o Cepea, a sustentação vem da oferta abaixo da demanda no país

Os preços domésticos do algodão em pluma voltaram a fechar nos patamares nominais verificados em meados de março deste ano, quando a pandemia de coronavírus começou a ganhar força no Brasil e as cotações da pluma iniciaram movimento de queda.

No geral, segundo colaboradores do Cepea, a sustentação vem da oferta abaixo da demanda. Apesar de a colheita brasileira da safra 2019/20 – que deve registrar produção recorde – seguir avançando, vendedores estão firmes nos valores pedidos nas negociações de novos lotes.

Produtores estão atentos ao dólar e ao cumprimento de contratos a termo, principalmente para exportação, mantendo reduzida a disponibilidade da pluma no spot nacional, sobretudo de algodão de maior qualidade.

Compradores, por sua vez, estão mais ativos no spot e, para adquirir pequenos novos volumes, precisam ser mais flexíveis nos valores pagos.

Esse contexto tem elevado o ritmo de comercialização neste início de agosto, assim como os preços da pluma. Entre 4 e 11 de agosto, o Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, subiu 3,1%, fechando em R$ 2,9625/lp nessa terça-feira 11.

Do Cepea

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta