Produtores articulam criação da Aproleite Rondônia para fortalecer o setor

Produtor Rui Barbosa de Souza preside a comissão que está organizando a associação – Foto: Arquivo pessoal

Da redação//AGROemDIA

Os produtores de leite de Rondônia estão se organizado para fortalecer o setor. Até o final deste semestre, eles pretendem oficializar a criação da Aproleite/RO. O objetivo deles é ter maior poder de negociação com os laticínios e contribuir para a formulação de políticas públicas que beneficiem a cadeia leiteira do estado, sétimo maior produtor de leite do país e o primeiro da Região Norte, com produção de 1,6 milhão de litros/dia.

“A Aproleite de Rondônia seguirá o modelo da Aproleite de Goiás e estará alinhada aos movimentos nacionais dos produtores de leite”, diz Rui Barbosa de Souza, do município de Candeias de Jamari. A ideia de criar a associação surgiu a partir de duas paralisações – uma em maio de 2020 e outra em abril deste ano –, quando os produtores suspenderam a entrega de leite aos laticínios devido aos baixos preços que estavam recebendo.

Segundo Rui Barbosa, presidente da comissão dos produtores de leite de RO, os laticínios estavam pagando, em média, R$ 0,86 pelo litro de leite ao produtor em maio de 2020. Com a paralisação, que durou 25 dias, o valor chegou até R$ 2,10, mas voltou a cair no fim do ano passado, para R$ 1,85, em média. No início de 2021, a queda foi ainda maior, para R$ 1,20.

Por isso, os produtores fizeram nova paralisação em abril, por cerca de 15 dias. Na última negociação, conseguiram elevar o preço do litro de leite para R$ 1,65, em média, com alguns laticínios, mas muitos pagam R$ 1,40. “Esse valor não cobre os custos de produção”, diz Rui, revelando que a sua produção caiu de 170 litros/dia para 40.

Reativação do Conseleite

A mobilização dos produtores também reivindicava a reativação do Conseleite de RO. Conforme Rui, o governo do estado regularizou a situação com a universidade do Paraná, responsável por fazer os cálculos do preço de referência do litro de leite ao produtor, e o conselho foi reativado.

Os produtores rondonienses – aproximadamente 32 mil – pleiteiam ainda que os laticínios informem na nota fiscal o valor referência do produto e o preço que será pago pelo leite que recolhem nas propriedades. “Hoje, eles colocam um valor de R$ 0,80 por litro no rodapé na nota.”

De acordo com Rui, a Assembleia Legislativo de RO aprovou recentemente projeto de lei estabelecendo a inclusão na nota fiscal do preço exato que será pago no mês seguinte pelo leite recolhido nas fazendas. “Só falta o governo do estado sancionar a lei.”

“Com a criação da Aproleite, a gente espera fortalecer o setor e ter mais força nas negociações com os laticínios”, pontua Rui. Um dos projetos, adiantou, é ter caminhões-tanque para recolher o produto nas fazendas e levá-lo para determinados polos, onde serão entregues aos laticínios.

A mobilização dos produtores de leite de RO ocorre num momento de crise no setor. “A situação está muito difícil”, ressaltou, acrescentando que alguns pecuaristas têm vendido parte do rebanho para cobrir as despesas. “Nos últimos dias, soube da venda de umas cem vacas para os frigoríficos.”

*Copyright © 2018, EMS4. Todos os direitos reservados. Proibida a cópia e reprodução total ou parcial sem a prévia autorização do AGROemDIA

 

 

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: