Queda do poder de compra da população limita procura por hortifrútis em 2021

Foto: AEN/Gov. PR

Em 2021, o avanço da vacinação contra a covid-19 no Brasil trouxe mais segurança à população e possibilitou, especialmente no segundo semestre, a abertura do comércio e do mercado institucional (escolas, bares e restaurantes), importantes canais de escoamento de hortifrútis. Mesmo assim, a economia brasileira não conseguiu decolar como o esperado, e o setor de HF enfrentou uma demanda enfraquecida ao longo do ano, em função sobretudo da renda bastante limitada da maior parte da população, do alto endividamento e do aumento generalizado dos preços dos alimentos.

Isso é o que indica o Anuário 2021-2022 da revista Hortifruti Brasil (edição de dezembro/21-janeiro/22), publicação do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Segundo pesquisadores da equipe da HF Brasil, no campo, pesou ainda a elevação dos custos de produção, que reduziu a margem do produtor de frutas e hortaliças.

Neste ano, também foi difícil lidar com o clima desfavorável: a seca perdurou por vários meses e fortes geadas foram registradas no inverno, comprometendo a produção, a qualidade e o calendário de colheita de algumas culturas. Já quanto ao mercado exportador, as frutas tiveram desempenho recorde, graças ao câmbio atrativo para este segmento.

Para 2022, o setor ainda deve trabalhar com cautela, pois os indicadores preveem uma recuperação ainda muito lenta da economia brasileira. A inflação pode ficar abaixo da verificada em 2021, o que, ao menos, aliviaria um pouco o poder de compra do consumidor, que está limitado.

O câmbio em 2022 deve se manter em patamar elevado, próximo de R$ 5,5/US$. Ainda que o dólar neste patamar possa manter atrativas as exportações de frutas frescas, no campo, a tendência é de elevação dos já altos preços dos insumos agrícolas. Neste caso, além do câmbio, observa-se restrição da cadeia de distribuição de insumos e forte concorrência com as culturas agrícolas de maior extensão, como a soja.

Área deve aumentar em 2022

Levantamento do Cepea mostra que, para as hortaliças, a área das principais culturas e regiões produtoras deve aumentar em 2022, compensando, em parte, as reduções observadas em 2020 e 2021. Esse incremento é concentrado novamente no segmento industrial de tomate e batata, além de uma recuperação parcial da área de alface.

Quanto às frutas, a previsão da Equipe de HF é de ligeira alta em 2021 frente a 2020. Os investimentos devem ser impulsionados, novamente, pelas regiões exportadoras de manga e uva.

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: