Seca no DF: Caesb entrega plano de racionamento de 48 horas à Adasa

a seca seca df fotos publicas
Fotos Públicas

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) entregou para análise, nesta segunda-feira (23), o plano de ampliação do racionamento de água em Brasília. O documento será avaliado pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento (Adasa), que afirmou ao G1 trabalhar com um prazo de “até 24 horas para aprovação da proposta”.

Até o fim da tarde desta segunda-feira, Caesb ainda não havia detalhado o conteúdo do projeto. Na última sexta (20), a companhia adiantou em entrevista coletiva que uma das medidas era a interrupção na oferta de água por 48 horas seguidas – o dobro do regime atual.

A Caesb afirmou que, mesmo após a aprovação do planejamento, “ainda não tem data marcada para iniciar a ampliação do rodízio”. Na sexta, o presidente da companhia, Maurício Luduvice, disse que, se for necessário implementar o racionamento de dois dias, “a população será devidamente informada com antecedência”.

Volume do Descoberto

No plano, a estatal também apresenta a possibilidade de manter o ritmo atual de abastecimento, pelo menos, até que o reservatório do Descoberto chegue a 4%. O “gatilho” para reduzir a captação de água na bacia era de 9% – mais que o dobro.

Nesta segunda-feira, o volume do Descoberto alcançou os 9% que funcionavam como um alerta, até a última semana. Segundo as curvas de monitoramento projetadas pela Adasa, esse nível indicava o ponto mais baixo previsto para o Descoberto em 2017, e só seria atingido no fim desse mês.

Maurício Luduvice informou que “melhorias operacionais na rede permitiram que a Caesb pudesse trabalhar de forma segura com o reservatório em um nível mais baixo”. Entre essas melhorias, estão “autobombas” instaladas no Descoberto.

A Adasa explicou que uma resolução publicada pela agência em 15 de maio de 2017 limitou a vazão média mensal captada pela Caesb no montante de 3,1 metros cúbicos por segundo e estabeleceu a curva de acompanhamento do volume útil do reservatório do Descoberto para os meses de 2017 tornando-se semanais a partir dos 9%.

Volume morto?

A Caesb afirmou que as “melhorias” na bacia permitem que o Descoberto chegue aos 4% sem entrar no “volume morto”. O termo, que ficou famoso durante a crise hídrica de São Paulo, se refere ao nível mais profundo dos reservatórios de água, que não pode ser alcançado pelas bombas tradicionais.

A companhia diz que já há um projeto elaborado para recolher a água desse volume morto do Descoberto. “Estamos vendo a disponibilidade de fazer a obra via pregão eletrônico, estamos fechando o termo de referência e, muito em breve, colocaremos ele [plano] na rua”, disse Luduvice.

A expectativa da companhia é de que essas obras sejam iniciadas em novembro. Luduvice também afirmou que “a água do volume morto não vai ser distribuída bruta”.

Em geral, essa água tem maior índice de contaminação e sujeira porque os metais pesados e o entulho, por exemplo, tendem a ir para o fundo da água.

G1

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: