RS: Protesto dos caminhoneiros ganha espaço na Semana Arrozeira

fatima arroz alegrete

Foto: Flávio Burin/Divulgação

 A 11ª Semana Arrozeira de Alegrete foi aberta oficialmente com referências à grave situação que vive o país com a greve dos caminhoneiros contra a alta do diesel. Em seu pronunciamento, a presidente da Associação dos Arrozeiros de Alegrete, Fátima Marchezan, afirmou que o evento terá a marca da superação pelo momento vivido pelo Brasil.

A cerimônia, nesse domingo (27), no CTG Aconchego dos Caranchos, contou com a participação de autoridades, parlamentares e lideranças do setor orizícola do município e do estado. O tema central deste ano são os “Modelos econômicos e comerciais”.

Fátima agradeceu aos antigos e novos apoiadores da Semana Arrozeira e pediu que todos compareçam aos debates ao longo da programação para ajudar a analisar os mecanismos e as alternativas que possam atenuar a crise.

“Precisamos construir juntos medidas que possam trazer soluções para termos uma cadeia melhor estruturada, contando também com os nossos representantes políticos”, enfatizou ela, destacando que é necessário mostrar força, união e discutir o que tira a renda do produtor e fere sua dignidade. “É necessário discutirmos alternativas e refletirmos sobre o futuro da nossa lavoura e do país”, salientou Fátima.

A organização do evento abriu espaço para intervenção do caminhoneiro Valtair dos Santos de Souza, de Santa Rosa (RS). Ele agradeceu o apoio da comunidade de Alegrete e disse que não adianta a categoria fazer uma paralisação por preços mais baixos do diesel e dos pedágios, se a população não estiver junto nas ruas.

“Não dá mais para rodar pelas estradas do país pagando impostos e combustíveis caros. Transportamos o que é produzido no campo. Enquanto não tivermos respostas para as nossas reivindicações, seguiremos firmes nesta mobilização”, discursou o caminhoneiro.

Fátima ressaltou ainda que o objetivo da Semana Arrozeira é motivar os participantes a renovar o ânimo e vislumbrar oportunidades que surgem em momentos difíceis.

Federarroz

Presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles assinalou que os últimos acontecimentos obrigam a todos a um pensar mais amplo do que o evento representa para o município. Segundo ele, é preciso enfrentar as dificuldades com mais eficiência na gestão municipal, estadual e federal.

“Estamos diante de grandes desafios, como os aumentos das tarifas de energia elétrica e dos combustíveis, pressionados pelo dólar, e esperamos que Brasília possa resolver essa equação da maneira menos dolorosa possível”, observou Henrique Dornellles. Para ele, serão enfrentados dias muitos ruins até que se estabeleça a ordem.

Ainda conforme o presidente da Federarroz, a cadeia de arroz será questionada em função dos altos custos. Por isso, acrescentou, será preciso ter mais capacidade de planejamento, trabalho e reflexão para o próximo ano que deve ser extremamente desafiador.

“Devemos pensar no que cada um pode contribuir. Temos sorte de ter conseguido terminar a colheita na região de Alegrete, mas em outras áreas ocorrem dificuldades, assim como em outros setores, como o de suínos e aves, que estão tendo prejuízos devido à toda essa conjuntura”, completou Henrique Dornelles.

Empreendedoras

Durante a abertura oficial do evento também ocorreu o Lançamento do Núcleo das Mulheres Empreendedoras do Agronegócio, que conta com 25 participantes. A coordenadora, Luciane Veiga, afirmou que o objetivo é promover o associativismo. Explicou que o núcleo se reúne periodicamente para discutir problemas comuns e buscar soluções conjuntas. Informou ainda que já foram realizados cinco encontros e que está ocorrendo a primeira ação, o curso Mulheres em Campo, dividido em cinco módulos.

As próximas atividades do núcleo, adiantou Luciene, serão os cursos e oficinas de culinária à base de farinha de arroz como forma de estimular o empreendedorismo e diversificar o uso do cereal. “Nosso núcleo tem sororidade, que é a união e a aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comuns ligados ao agronegócio.”

O tema da programação desta segunda-feira (28) é o “Impacto Econômico da Agricultura nos Setores Não Agrícolas: agro é um negócio do Estado e não dos produtores”, com o economista chefe da Farsul, Antônio da Luz. O evento, organizado pela Associação dos Arrozeiros de Alegrete, vai até sexta-feira (1º).

 

 

AGROEMDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: agroemdia@gmail.com - (61) 992446832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: