Exportação de carnes de frango e suína deve cair em 2018, projeta ABPA

frango 23 23 8
Foto: Embrapa/Arquivo

Da Reuters

As exportações de carnes de frango e suína do Brasil em 2018 devem cair ante 2017, em meio a restrições comerciais e custos mais altos, projetou nesta quinta-feira (23) a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), ponderando que compras por outras regiões têm compensado as perdas observadas até agora.

Os embarques de carne de frango do Brasil, maior exportador global, devem recuar neste ano entre 2% a 3%, para 4,2 milhões de toneladas, ante uma perspectiva no início do ano de crescimento de 1% a 3%, conforme a entidade, que representa a indústria do setor.

A revisão para baixo ocorre após uma suspensão de plantas produtoras do Brasil pela União Europeia (UE), algo que impactou principalmente a gigante BRF.

Também reflete os custos mais altos com ração, dada a disparada do milho, e os protestos de caminhoneiros, que complicaram a logística nacional em maio.

“É algo lamentável. Estávamos em um ritmo muito bom”, disse o presidente da ABPA, Francisco Turra, durante coletiva de imprensa em São Paulo.

Pelas projeções da associação, o tabelamento de fretes, instituído como medida para acabar com as manifestações dos caminhoneiros, elevou o custo logístico do setor em 35 por cento, em média.

Os custos maiores devem fazer com que os preços ao consumidor final aumentem em 15 por cento neste semestre.

Quanto à carne suína, a ABPA espera agora exportações entre 10% e 12% menores em 2018, em torno de 620 mil toneladas, frente uma expectativa de alta de até 5% no início do ano.

As vendas dessa proteína foram fortemente impactadas pelo embargo russo, anunciado no fim do ano passado.

A produção de carne suína deve aumentar 1% em 2018, para perto de 3,8 milhões de toneladas, enquanto a de frango tende a cair de 1% a 2%, para 13 milhões de toneladas.

Anteriormente, a ABPA esperava crescimentos de até 3% para a carne suína, e de até 4% para a de frango.

Compensação

Até agora em 2018, de janeiro a julho, o Brasil já exportou 2,3 milhões de toneladas de carne de frango (queda de 8,2% na comparação anual) e 346,5 mil toneladas de carne suína (recuo de 13,6%).

Na avaliação de Turra, esse desempenho poderia ser ainda pior.

“As perdas poderiam ser piores. Parte das exportações de carne suína foram compensadas por vendas à Ásia, como China e Hong Kong, e à América do Sul. Para a carne de frango, outros países, como China e México, reduziram o impacto do embargo europeu”, explicou.

Já o vice-presidente e diretor de Mercados da ABPA, Ricardo Santin, avalia que o setor tem potencial para impulsionar as vendas de carne de frango no restante do ano, principalmente se o dólar se mantiver fortalecido.

“Se o dólar continuar nesses patamares, podemos chegar no zero a zero ante 2017”, destacou Santin, que não descarta embarques de 400 mil toneladas em agosto, próximos a volumes mensais exportados pelo setor, após um recorde em julho.

Santin afirmou ainda que vê espaço para melhora de margens do setor nos últimos meses do ano.

“Temos espaço de melhora de margens agora porque é impossível não repassar preço. Hoje a gente vê um ambiente mais estável para repasse de custos”, destacou.

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta