Programa vai financiar produção sem desmatamento no Cerrado

cerrado 29
Bunge, Santander e TNC vão estimular preservação do bioma – Foto: Embrapa/Arquivo

Da Reuters

A Bunge, o banco Santander Brasil e a organização The Nature Conservancy (TNC) lançaram nesta quarta-feira (29) uma linha de financiamento de US$ 50 milhões para estimular a expansão de soja em áreas já degradadas no Cerrado do Brasil, o maior exportador global da oleaginosa.

A expectativa é de que os primeiros empréstimos do programa, considerado piloto, estejam disponíveis já em setembro, com taxas variando de 6% a 11% ao ano, em dólar. O financiamento será de longo prazo, podendo chegar a até 10 anos.

“É um prazo compatível com a aquisição e transformação de áreas que vão precisar de investimentos para voltar a serem produtivas”, afirmou o diretor de Agronegócios do Santander Brasil, Carlos Aguiar, durante apresentação do programa na sede da instituição, em São Paulo.

Ao estimular a agricultura em áreas degradadas, cuja vegetação foi desmatada no passado, o programa contribuiria para evitar novos desflorestamentos em uma região que é chave para a produção agrícola do Brasil.

Na véspera, a Reuters publicou que esse ecossistema perdeu mais de 105 mil quilômetros quadrados de vegetação nativa desde 2008, enquanto no mesmo período a produção nacional de soja praticamente dobrou, chegando a um recorde de cerca de 120 milhões de toneladas neste ano.

Pelos cálculos da TNC, o Cerrado brasileiro tem hoje mais de 25 milhões de hectares de terras que foram desmatadas no passado e que são aptas à expansão da soja.

Expectativas

Do total de recursos oferecidos, 65% serão disponibilizados pelo Santander Brasil, 30% pela Bunge e 5% pela TNC. Caberá principalmente à gigante norte-americana, uma das maiores tradings de grãos com atuação no Brasil, a tarefa de selecionar produtores e acompanhar a alocação do dinheiro para o reparo de áreas degradadas.

“O objetivo do programa não é de custeio, é realmente promover a implantação, a expansão de uma agricultura sustentável. Os agricultores qualificáveis serão aqueles que já têm um histórico com a Bunge”, destacou o diretor global de Sustentabilidade da companhia, Michel Santos.

Ele frisou que o financiamento é, por ora, um projeto piloto, sem prazo para ser aplicado em larga escala —neste primeiro momento, não mais que cinco produtores devem contemplados.

“A ideia nossa é poder testar esse conceito… Com esse teste, vamos ter certeza se (o programa) poderá ser expandido.”

Bunge, Santander Brasil e TNC trabalham para que os US$ 50 milhões estejam totalmente destinados até junho do próximo ano.

*Atualizada às 14h17

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta