Agricultura orgânica financiada por consumidores ganha força no DF

ximena 0
Veterinária chilena Ximena Moreno coordena a CSA Bindu – Olga Machado/AGROemDIA

Uma das regiões do país que mais se destacam na produção de alimentos orgânicos, o Distrito Federal também é um dos principais polos brasileiros do chamado modelo CSA (Comunidade que Sustenta a Agricultura). Hoje, o DF conta 22 núcleos de CSA, envolvendo cerca de 1.500 pessoas (agricultores e coprodutores). Entre eles, o Bindu, na região do Lago Oeste, cuja atividade contempla ainda a educação e a saúde.

O conceito de CSA surgiu nos anos 1980 nos Estados Unidos. Nesse modelo de desenvolvimento sustentável, a agricultura é apoiada pela comunidade, criando, assim, uma relação de proximidade com quem produz sem o uso de adubos químicos, venenos, herbicidas, sementes transgênicas, antibióticos ou hormônios. No sistema CSA, a produção é escoada diretamente para o consumidor (coagricultor), sem intermediários.

A implantação dessa tecnologia social, que passou a ser mais conhecida no Brasil durante o Fórum Social Mundial de 2011, em Porto Alegre, exige que o agricultor conte com uma rede de coprodutores. Os apoiadores compram cotas mensais, por um período pré-determinado, e recebem semanalmente cestas com produtos da época, em pontos de distribuição ou em casa, com itens como folhas, raízes, legumes, flores e frutas.

A criação de uma rede de coprodutores é baseada na confiança. O agricultor mostra todas as informações sobre os seus custos e meios de cultivo, a fim de que as despesas sejam divididos em cotas mensais entre os coagricultores. Isso possibilita que a CSA venha ser a financiadora da produção do agricultor. Assim, troca-se a cultura do preço pelo apreço a um modelo de produção que também busca reduzir o desperdício de alimentos.

ximena 2
CSA Bindu, no Lago Oeste, desenvolve a agricultura biodinâmica – Olga Machado/AGROemDIA

Relação de confiança dispensa certificação

“A relação de confiança entre o agricultor e os coprodutores torna dispensável a certificação”, assinala a médica veterinária chilena Ximena Moreno, que está à frente da CSA Bindu, criada há três anos. “Os laços de confiança, as reuniões frequentes entre os produtores e coagricultores e as visitas às áreas de produção acabam dispensando a necessidade da rastreabilidade.”

Mestre em gestão ambiental e ex-consultora do Ministério do Meio Ambiente do Chile, Ximena desenvolve a agroecologia em uma área de dois hectares, no Lago Oeste. Ali, com a ajuda de quatro estagiários, produz folhagens, frutas, raízes e legumes.

A CSA Bindu é financiada por 25 coagricultores, que recebem cestas semanais – um grupo nas terças e outro nas quartas – em sete pontos de distribuição no Plano Piloto. “Para que a Bindu seja autossustentável do ponto de vista financeiro, precisamos ter pelo menos mais 25 coprodutores”, diz Ximena.

A CSA Bindu produz no sistema de agricultora biodinâmica, uma forma alternativa de produção orgânica.  A exemplo do cultivo orgânico, a agricultura biodinâmica não emprega adubos químicos, venenos, herbicidas, sementes transgênicas, antibióticos ou hormônios. A diferença é que ela busca a individualidade agrícola, procurando a integração e harmonia entre as várias atividades de uma propriedade como horta, pomar, campo de cereais, criação animal e florestas nativas.

Além disso, a agricultura biodinâmica trabalha com o conhecimento do ciclo cósmico. Os agricultores biodinâmicos acreditam que o reino vegetal não se emancipou das forças cósmicas. Por isso, usam preparados feitos de minerais, esterco bovino e plantas medicinais para promover a vitalidade nos alimentos.

A agricultura biodinâmica também utiliza o calendário astronômico agrícola como uma importante ferramenta de orientação para os melhores momentos de fazer o plantio, tratos culturais, colheita etc. A ideia não é só produzir alimentos saudáveis, mas contribuir para um mundo melhor. “É um apelo pela humanidade”, reforça Ximena.

SERVIÇO

CSA Chácara Bindu

Rua 1 – Chácara 5 – Núcleo Rural Lago Oeste (DF)

Valor da cota para coagricultores:

R$ 320 (cesta completa; entrega semanal)

R$ 210 (meia cesta; entrega semanal)

CONTATO

csaesbindu@gmail.com

(61) 98275-3712 – (61) 99273 – 9560 – (61) 98109-6718

Facebook: chacarabindu

Instagram: csaes.bindu – chácara.bindu

www.cracarabindu.com.br

ximena 3
Ximena: reino vegetal não se emancipou da forças cósmicas – Olga Machado/AGROemDIA

Missão da CSA Brasília

Ser o elo de integração e fortalecimento do movimento social de Comunidades que Sustentam a Agricultura no DF, para promover uma cultura solidária, saudável e sustentável de produção e consumo de alimentos.

Nossos valores

Apoio mútuo

Transparência

Confiança

Criatividade

Diálogo

Corresponsabilidade

Solidariedade

Integração

 Nossos princípios

Produção orgânica, local, sem intermediários.

Valorização da agricultura familiar

Fortalecimento da agroecologia

Gestão participativa, democrática e rotativa

Cultivo de interações harmônicas

Postura de corresponsabilidade

Promoção do contato dos coagricultores com a terra

Incentivo da prática da economia associativa

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: