Arroz precisa ser mantido na pauta do acordo Mercosul-UE, diz Abiarroz

arroz irga 5 12
Bloco sul-americano quer cota de exportação de 400 mil t/ano para europeus – Irga/Gov/RS

O arroz precisa ser mantido pelo Brasil na pauta de negociações do acordo Mercosul-União Europeia (UE), alerta a Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz). A entidade está alinhada com as reivindicações dos parceiros do bloco econômico sul-americano (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) no sentido de reforçar o pedido de uma cota de exportação para aquele mercado de 400 mil toneladas/ano livre de impostos de importação.

Nos próximos dias, a Abiarroz encaminhará mais subsídios ao novo governo brasileiro para reforçar a importância da manutenção do cereal nas negociações do acordo, que já se arrastam há 20 anos, mas caminham para uma conclusão. A entidade ressalta ainda que a ampliação do acesso do arroz à UE integra a estratégia do Mercosul de ampliar sua participação no comércio agrícola mundial.

O pedido de uma cota de 400 mil t/ano de exportação do produto para o mercado europeu foi apresentado às autoridades regionais pela Confederação dos Moinhos de Arroz do Mercosul (Conmasur), da qual a Abiarroz faz parte.

No entanto, a última oferta feita pela UE foi de uma cota de 45 mil t/ano, com imposto incidente por seis anos de 15 euros/t. Além de rejeitar a taxação, a Abiarroz considera o volume insuficiente e lembra que somente em 2018 as exportações de arroz do Mercosul para a UE foram de 190 mil/t.

Dias atrás, a UE reiterou o desejo de avançar nas negociações para alcançar o acordo de livre comércio. Na avaliação da Abiarroz, este é o momento oportuno para a cadeia orizícola do bloco sul-americano reafirmar a importância da inclusão do produto no tratado.

A indústria brasileira do arroz observa ainda que a Itália e a Espanha são contrárias à inclusão do cereal no acordo, alegando que ele também é produzido localmente. Entretanto, a Abiarroz classifica o argumento como inconsistente, já que o comércio do produto teria como parâmetro a cota de 400 mil/t de exportação.

 

 

Entidade enviará mais subsídios ao governo para reforçar importância de incluir cereal no tratado e defende cota de exportação pelo Mercosul de 400 mil t/ano

O arroz precisa ser mantido pelo Brasil na pauta de negociações do acordo Mercosul-União Europeia (UE), alerta a Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz). A entidade está alinhada com as reivindicações dos parceiros do bloco econômico sul-americano (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) no sentido de reforçar o pedido de uma cota de exportação para aquele mercado de 400 mil toneladas/ano livre de impostos de importação.

Nos próximos dias, a Abiarroz encaminhará mais subsídios ao novo governo brasileiro para reforçar a importância da manutenção do cereal nas negociações do acordo, que já se arrastam há 20 anos, mas caminham para uma conclusão. A entidade ressalta ainda que a ampliação do acesso do arroz à UE integra a estratégia do Mercosul de ampliar sua participação no comércio agrícola mundial.

O pedido de uma cota de 400 mil t/ano de exportação do produto para o mercado europeu foi apresentado às autoridades regionais pela Confederação dos Moinhos de Arroz do Mercosul (Conmasur), da qual a Abiarroz faz parte.

No entanto, a última oferta feita pela UE foi de uma cota de 45 mil t/ano, com imposto incidente por seis anos de 15 euros/t. Além de rejeitar a taxação, a Abiarroz considera o volume insuficiente e lembra que somente em 2018 as exportações de arroz do Mercosul para a UE foram de 190 mil/t.

Dias atrás, a UE reiterou o desejo de avançar nas negociações para alcançar o acordo de livre comércio. Na avaliação da Abiarroz, este é o momento oportuno para a cadeia orizícola do bloco sul-americano reafirmar a importância da inclusão do produto no tratado.

A indústria brasileira do arroz observa ainda que a Itália e a Espanha são contrárias à inclusão do cereal no acordo, alegando que ele também é produzido localmente. Entretanto, a Abiarroz classifica o argumento como inconsistente, já que o comércio do produto teria como parâmetro a cota de 400 mil/t de exportação.

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta