Pesquisa inédita apresenta método para calcular quantidade de calcário em MT

Foto: Carlos Kurihara/Embrapa

Resultado de pesquisa científica financiada pelo Programa Agrocientista, da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), vai mudar a realidade da agricultura no estado. O estudo descobriu duas curvas inéditas, capazes de corrigir acidez nos solos mato-grossenses, que dará mais agilidade e precisão no cálculo da quantidade de calcário adequada para cada solo e garantirá mais economia aos produtores.

Mesmo com uma extensão territorial continental, Mato Grosso não contava com uma metodologia de calibragem de solo para correção da acidez e se baseava em curvas de outras localidades, como o estado de São Paulo. O resultado da pesquisa “Estimativa da Acidez Potencial dos Solos do Estado de Mato Grosso com Base em Métodos Tampões” chegou ao método SMP (Shoemaker, McLean and Pratt) e ao método Santa Maria.

“Antes, utilizávamos curvas de outros estados, não calibradas para nossa realidade, que poderiam ser mais demoradas e onerosas. Além disso, poderia superestimar ou subestimar a quantidade de calcário adequada para o produtor. Uma vez que hoje temos essa calibragem, a quantidade de calcário será mais assertiva para corrigir essa acidez. Esse método é utilizado no Brasil, mas ele exige calibração regional, o que até então não havia em Mato Grosso”, detalhou o autor da pesquisa, engenheiro agrônomo e doutor Marcelo Ribeiro Vilela Prado.

Estudo acadêmico

O autor do estudo ingressou no doutorado na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em 2014. Marcelo escreveu o projeto para concorrer ao edital do Agrocientista da Aprosoja e, em 2015, foi contemplado. O objetivo da pesquisa foi desenvolver uma curva capaz de estimar a acidez potencial do solo para Mato Grosso com base em métodos tampões, que, segundo Marcelo, são rápidos, práticos e eficientes para uso de laboratório, mas que não havia no estado.

Para tanto, 196 amostras de solo foram coletadas na camada arável (0–20 cm) em diferentes sistemas agropastoris e nativos adjacentes. “Passei para segunda fase de campo e estive em todas as regiões do estado coletando os solos. Em agosto de 2018, fiz a defesa e fui aprovado. Agora está saindo o artigo referentes a esta tese, e o apoio da Aprosoja foi fundamental nesse processo”, destacou.

Em fevereiro de 2020, o artigo foi publicado pela editora UFLA na Revista Ciência e Agrotecnologia, da Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais.

O pesquisador, professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Agricultura Tropical da UFMT e doutor Milton Ferreira de Moraes, que também foi orientador de Marcelo, lembra que essa pesquisa vem de uma demanda antiga. “Há uns cinco anos, produtores se queixavam da variação nas análises de solo, o que reuniu diversas instituições, como a Aprosoja, a Fundação MT, e fizemos um estudo que ao final resultou em um workshop com laboratórios. Agora, o método está desenvolvido. Já saiu o artigo e a ideia é que todos os laboratórios se conscientizem e adotem esse método voluntariamente, já que não existe uma normatização. E a pesquisa não para. Vamos partir para a próxima fase, que será provavelmente na safra 2020/2021, em campo”, informou.

Coleta dos solos

O pesquisador Milton Ferreira conta que a coleta dos solos durante dois anos possibilitou a montagem da Soloteca, uma coleção com mais de 200 tipos de solos para estudos no Laboratório de Fertilidade do Solo no Campus Universitário do Araguaia em Barra do Garças-MT. Ele enalteceu o apoio da entidade que, por meio do programa Agrocientista, incentiva a formação de novos pesquisadores e ajuda melhorar a produtividade no estado.

“Esse tipo de apoio é extremamente importante para o incentivo à pesquisa. Agora, o estado poderá ter uma maior produtividade com esse novo método que beneficia não só o produtor, mas a sociedade como um todo. Para se ter uma ideia, o fertilizante tem um custo muito alto e chega a um terço do valor que o produtor gasta na lavoura com calcário e adubos. Se o solo é ácido o aproveitamento é baixo desse fertilizante e compromete a produtividade. Importante destacar também, nesse processo, o apoio da Fapemat, Empaer-MT, CNPq, CAPES, entre outros”, frisou.

Presidente da Aprosoja, Antonio Galvan, ressaltou que a entidade se preocupa com o avanço da agricultura em Mato Grosso e investe em sustentabilidade, defesa agrícola e pesquisas científicas. “Não é recente nossa preocupação com estudos que garantam mais eficiência, maior sustentabilidade, rentabilidade ao produtor e economia. Por isso, investimos muito em pesquisa científica, em estudos sérios. Exemplo disso são os mais de R$ 2 milhões investidos no Agrocientísta”, pontuou.

O Agrocientista é um programa de iniciativa da Aprosoja, que oferece auxílio e incentivo à pesquisa científica e já financiou mais de R$ 2 milhões em projetos de pesquisa, desde 2011.

A íntegra da pesquisa e do artigo científico podem ser acessados nos links abaixo:

Clique aqui para acessar a tese.

Clique aqui para acessar o artigo.

Da Aprosoja

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta