A semana em que o preço da arroba do boi gordo voltou a superar R$ 230

Foto: Fabiano Bastos/Embrapa

Da Reuters

A arroba do boi gordo superou a marca de 230 reais nesta semana, mesmo patamar alcançado em novembro de 2019, quando intensas compras da China levaram a uma disparada nas exportações de carne e resultaram em valores históricos para o produto nacional.

Com uma redução na oferta de gado devido ao ciclo pecuário, queda na produção, firme demanda externa e câmbio favorável a exportações, a tendência é que as cotações do animal sigam em nível recorde, exigindo maior desembolso dos frigoríficos, conforme analistas.

O comportamento do consumo interno, ainda afetado pela pandemia do novo coronavírus, é o único fator que pode limitar o avanço da arroba no próximo bimestre. E, mesmo nesta hipótese, novembro e dezembro prometem recuperação com a tradicional demanda para festas, somando-se à conjuntura altista.

O Indicador do Boi Gordo Cepea/B3 fechou em 234,25 reais por arroba nesta quinta-feira, avanço de 2,61% na variação mensal e 49,3% ante igual período do ano passado.

Nesta sexta-feira, a cotação bruta calculada pela Scot Consultoria indica arroba a 232 reais à vista na referência de São Paulo, para o mercado físico. Descontados os impostos, o valor a prazo bateu 230,50 reais por arroba.

Bovinos jovens (até 30 meses), cuja carne é apta para embarque à China, contam com um incremento de 3 reais por arroba para machos, mostram dados da consultoria.

O diretor da Scot, Alcides Torres, disse que no começo do ano, em função das incertezas relativas à pandemia, o pecuarista atrasou a tomada de decisão sobre enviar ou não o gado para confinamento.

“Isso acabou atrasando a entrega dos animais confinados que estariam disponíveis para venda agora e essa falta de gado (pronto para abate) contribuiu pra a atual restrição de oferta de boiadas, e os frigoríficos estão tendo que pagar mais”, explicou.

“Agora, por falta de boiadas, o preço veio em uma toada que nos aproxima do valor de pico da entressafra”, acrescentou.

Ele disse ainda que o pico da cotação bruta do boi gordo chegou a 250 reais por arroba no fim do ano passado, “e podemos ver de novo até preços maiores que esse”, com a alta condicionada ao comportamento do mercado interno. “Não podemos mandar toda a carne para exportação”, comentou.

Abates x exportação

Torres pontuou que a oferta de gado deve continuar comedida até o fim do ano, e este processo ainda pode se estender por 2021, devido ao ciclo pecuário. A estratégia de retenção de fêmeas, para elevar a produção de bezerros, tem contribuído para baixar o nível de abates do país.

Levantamento da consultoria Agrifatto mostra que 17,02 milhões de cabeças foram abatidas no Brasil entre janeiro e julho, queda de 9,5% ante o mesmo intervalo de 2019. Para 2020, a projeção indica recuo de 8% nos abates, para 36,77 milhões.

A produção de carne bovina, por sua vez, caiu 7,8% até julho para 4,32 milhões de toneladas. Em contrapartida, as exportações subiram 10,3% no período para 1,16 milhão de toneladas.

Somente no primeiro semestre, as importações chinesas de carne bovina do Brasil saltaram 148%, para 365.126 toneladas, e com isso o país asiático se tornou destino de 57% da proteína comercializada pelos brasileiros no período, conforme levantamento da associação do setor Abrafrigo.

O aumento no número de plantas habilitadas para exportar para a China, aprovado no segundo semestre de 2019, foi fundamental para estes resultados.

“Cerca de 75% dos frigoríficos brasileiros têm acesso a algum tipo de mercado externo. Então, apesar do mercado interno estar relativamente ruim, por conta da pandemia, eles conseguiram compensar (financeiramente) com negócios feitos a câmbio alto”, disse a diretora executiva da Agrifatto, Lygia Pimentel.

Neste contexto, vale destacar que os três maiores frigoríficos do país —JBS, Marfrig Global Foods e Minerva Foods— registraram lucros significativos nos balanços do segundo trimestre, na esteira de fatores como câmbio e demanda externa.

Desta forma, considerando que a indústria também está capitalizada, “tem espaço para a arroba continuar subindo sim”, estimou a diretora da Agrifatto.

Cenário interno

A grande dúvida para os próximos meses está no comportamento da demanda no mercado interno, disse o consultor em Gerenciamento de Risco especializado em Boi Gordo da StoneX, Caio Toledo.

“Se a demanda vier abaixo da expectativa ou permanecer estável nos próximos dois meses… os preços da arroba podem arrefecer, com recuperação prevista para novembro e dezembro”, afirmou.

No fim do ano, seja pelos pagamentos do décimo terceiro ou pelo processo de melhora da economia, Toledo disse que tudo leva a crer que haverá reação na demanda doméstica, somada com a questão da oferta baixa de carne e com as exportações pujantes.

“Uma coisa que vamos monitorar é o auxílio emergencial e os impactos econômicos caso ele deixe de existir”, completou.

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta