CNA pede à ministra da Agricultura medidas de apoio aos produtores de leite

Foto: Alcides Okubo filho/Embrapa

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, pediu nesta sexta-feira 6 à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, medidas de apoio aos produtores de leite no momento que os preços do leite começam a cair e o custo de produção continua a aumentar.

No ofício enviado ao Ministério da Agricultura, o presidente da CNA diz que o ano de 2020 tem sido desafiador para o produtor de leite, pois os prejuízos causados pela covid-19 ainda não foram totalmente recuperados. A margem bruta da atividade no primeiro semestre deste ano foi 29,5% menor em relação ao mesmo período de 2019, segundo dados do Cepea, refletindo em uma queda de 11,7% na produção de leite, de acordo com o IBGE.

Neste contexto, a CNA propõe, entre outros pontos, a operacionalização de instrumentos de política agrícola, como os leilões utilizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a compra de insumos a preços mais acessíveis pelos produtores, a subvenção ao prêmio pago na aquisição de contratos de opção privada de compra de grãos e outras iniciativas que possuam o mesmo fim.

“Para os próximos meses, o preço do leite tende a cair em função das variáveis de mercado, ao mesmo tempo em que a alta nos custos de produção tende a seguir em ritmo forte, principalmente em função das cotações dos insumos que compõem a ração concentrada”, justificou o presidente da entidade no documento ao Mapa.

Martins destacou as ações tomadas pelo governo federal em 2020 para evitar prejuízos ainda maiores ao setor leiteiro, como o auxílio emergencial, que estimulou o consumo de lácteos, o aumento de recursos para o programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e a autorização para que laticínios com o Selo de Inspeção Federal (SIF) comprassem leite de pequenas indústrias com inspeção estaduais ou municipais.

No entanto, ressaltou, o cenário para os próximos meses é preocupante. Os Conselhos Paritários de Produtores e Indústrias de Leite (Conseleites), que reúnem produtores e indústrias nos estados para definir os preços do produto, apontam redução de 4,8% no valor do leite produzido em outubro a ser pago em novembro, com perspectiva de queda até o final do ano.

O presidente da CNA explica que a maior preocupação do produtor é com o custo da ração concentrada, que representa, em média, 40% dos desembolsos do pecuarista. O milho e o farelo de soja, principais insumos que compõem a ração, subiram 75,2% e 96,6%, respectivamente, em outubro deste ano na comparação com o mesmo mês em 2019.

“Nesse contexto, há forte tendência de pequenos e médios produtores venderem seus animais para o abate devido aos altos preços da arroba ou mesmo saírem da atividade, o que ocasionará problemas sociais no campo e menor oferta de leite para o próximo ano”, alertou.

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta