PIB do agronegócio tem alta de 19,66% de janeiro a novembro de 2020

Foto: Cleverson_Beje/AEN/Gov. PR

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio cresceu 2,37% em novembro e chegou a uma alta acumulada de 19,66% em 11 meses (janeiro a novembro) em 2020, em relação ao mesmo período de 2019, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil e o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Com este resultado, aumentam as perspectivas de um resultado recorde para 2020. “O PIB do agronegócio cresceu lentamente em abril e em maio, devido aos impactos negativos da pandemia sobre diferentes atividades do setor. Mas, com a forte aceleração verificada desde junho, a perspectiva de um crescimento recorde anual em 2020 vai se concretizando”, destaca o comunicado técnico da CNA/Cepea.

O melhor desempenho de janeiro a novembro do ano passado foi o do setor primário, que teve expansão de 47,5%. Mas todos os segmentos tiveram alta no acumulado de 11 meses. O setor de serviços cresceu 17,06%, enquanto agroindústria e insumos tiveram elevações de 5,58% e 3,36%, respectivamente.

“É importante lembrar que a evolução do PIB do agronegócio reflete a evolução da renda real do setor, sendo consideradas variações tanto de volume quanto de preços reais”, assinala comunicado. A expansão do PIB no período ocorreu tanto no ramo agrícola quanto no pecuário.

Agricultura

O ramo agrícola cresceu 18,16% no ano, reflexo do aumento de produção e alta de preços. “O importante crescimento do PIB reflete os preços maiores na comparação com o mesmo período de 2019 e a maior produção anual, com uma safra recorde de grãos e crescimentos também para o café, a cana-de-açúcar e o cacau”, acrescenta o comunicado.

Apesar do bom desempenho, CNA e Cepea ressaltam que o resultado do ano passado representa, em parte, uma recuperação de renda em relação ao período de 2017 a 2019, quando houve momento desfavorável de preços, mesmo com aumento de produção.

Outro ponto a ser destacado foi a comercialização antecipada, o que fez com que a maior parte dos produtores não se beneficiasse da elevação de preços de 2020. Há ainda a alta dos custos de produção, que reduziu a margem dos produtores no ano passado.

Pecuária

No acumulado de janeiro a novembro, o ramo pecuário cresceu 23,08%, com alta para os agrosserviços (25,11%), atividade primária (24,85%), agroindústria (19,91%) e insumos (6,21%). O resultado é justificado pela elevação de preços das proteínas animais em relação a 2019, além da expansão da produção e abate de aves e suínos e da produção de ovos e leite.

“Mas, apesar dos preços maiores, o forte aumento nos custos de produção tem afetado negativamente as margens dentro da porteira e na agroindústria. Além dos insumos de alimentação, que estão expressivamente encarecidos já que os grãos operam em patamares recordes, no caso da pecuária de corte, devem-se destacar também as fortes elevações do bezerro e do boi magro”, diz o comunicado técnico.

Novembro

O PIB mensal do agronegócio geral cresceu 2,37% em novembro passado, com expansão para os segmentos primário (5,29%), agroindustrial (0,91%) e de agrosserviços (1,88%), e resultado estável para o segmento de insumos (0,09%), na comparação com novembro de 2019.

Da CNA

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: