Aliança Láctea Sul Brasileira busca saídas para superar gargalos do setor  

Foto: Pixabay License

A primeira reunião de 2021 da Aliança Láctea Sul Brasileira discutiu os desafios que precisam ser enfrentados pelo setor em curto, médio e longo prazos. Gargalos como a expressiva alta dos custos de produção, a volatilidade nos preços do produto, a organização da cadeia para conquista de competitividade e a presença no mercado externo, além do enfrentamento de questões voltadas à sanidade animal, dominaram os debates.

Na abertura da reunião virtual, coordenada por Ronei Volpi, o presidente da Farsul, Gedeão Pereira, lembrou que o agronegócio vive um momento favorável, à exceção de alguns setores, como o leite. Segundo ele, os custos elevados vêm pressionando a atividade, sobretudo em função do desabastecimento de milho.

Uma das saídas apontadas por Gedeão é reduzir a dependência do setor produtivo pelo cereal. Para tanto, a Farsul deve iniciar em breve um estudo que estimule a produção de grãos alternativos no inverno, com teor nutritivo adequado (cevada, centeio e triticale, por exemplo) em áreas utilizadas por coberturas verdes.

“Essa pode ser uma alternativa à importação de 4 milhões de toneladas de milho pelo Rio Grande do Sul, cujos custos se refletem em outras cadeias também, como a de suínos e a de frangos. Em curto prazo, não vamos resolver o déficit de milho por meio do plantio”, assinalou Gedeão.

O mesmo cenário deficitário com o milho foi relatado por representantes do Paraná e de Santa Catarina – este estado precisa comprar até 6 milhões de toneladas para atender as suas cadeias produtivas.

Reunião virtual da Aliança Láctea Sul Brasileira – Reprodução

Momento delicado

O momento delicado pelo qual atravessa o setor lácteo também foi citado pelo 1° vice-presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios do Rio Grande do Sul (Sindilat), Alexandre Guerra. “A única certeza que temos é o aumento do custo ao produtor e à indústria, com muitos atuando sem margem e outros no negativo.”

No front, observou Guerra, estão incertezas sobre a sustentação do mercado como reflexo do auxílio emergencial que deve ser liberado em breve e como será o comportamento do consumidor diante dos novos cenários, além dos novos custos provocados pelo aumento do preço do combustível, que gera inflação para todos os elos da cadeia.

Guerra pontuou ainda que o momento pede ações que busquem reduzir a pressão dos custos sobre a cadeia, citando como uma das alternativas, além da importação de produtos ligados à agricultura sem imposto e a taxa de importação, projetos e políticas voltados ao fomento da irrigação.

“Os custos em nível industrial estão absurdos e vemos queda no poder de compra dos consumidores”, acrescentou Valter Brandalise, do Sindileite/SC.

Conforme o secretário da Agricultura de Santa Catarina, Altair Silva, o estado tem o desafio de buscar no mercado uma quantidade ainda maior de milho neste ano. “Vamos produzir apenas 2 milhões de toneladas, o que exigirá uma compra de 5 milhões de toneladas. De onde sairá tanto milho?”, questionou.

O secretário entende que, diante desse quadro, a Conab deveria focar sua atuação de forma a manter uma pauta comum que atenda às necessidades de abastecimento de todos os estados.

Já o secretário da Agricultura do Paraná, Norberto Ortigara, reforçou que além da estiagem, dos custos e da disparada do dólar, o setor ainda concorre com a área de combustíveis, já que 7 milhões de toneladas do cereal são direcionadas para a fabricação de etanol.

Políticas diferenciadas

O chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins, elencou alguns pontos que precisam ser trabalhados para garantir eficiência, competitividade e resultados. Entre eles, está a necessidade de políticas diferenciadas para os diversos níveis de produtores hoje em atuação no país, além de uma política de automação tanto para o produtor como para a indústria.

Outro ponto se refere ao conhecimento sobre a qualidade da matéria-prima utilizada. “Há 20 anos, o setor lácteo ganhou expressividade nacional em termos de mercado, a qualidade melhorou muito. Há dificuldades de entendimento sobre a importância de políticas para o leite, assim como há dificuldade de haver uma coordenação maior entre as cadeias”, destacou Martins, reforçando que o setor é carente de políticas públicas, algo que se perdeu em 1980.

Martins defendeu a ideia de que o setor passe a apostar ainda mais na inovação por meio da entrega de serviços/produtos/tecnologias de startups. “Precisamos colocar os jovens juntos nesse processo. Caso contrário, não teremos a velocidade necessária para encontrar as soluções que buscamos”, disse.

Para Darlan Palharini, secretário-executivo do Sindilat, o setor precisa buscar o equilíbrio para fazer frente a um potente mercado internacional – são cinco países que detêm 90% do mercado de exportação de leite.

“Como não há como tributar as importações, o setor deve ir em busca de soluções que garantam esse equilíbrio”, enfatizou Palharini, referindo-se a aspectos como aumento de produtividade e custo competitivos tanto no mercado doméstico como no mercado internacional.

Já o consultor para a cadeia leiteira Airton Spies lembrou que a volatilidade é algo frequente no preço do leite brasileiro. Em 2020, o preço saiu de R$ 1,40 o litro em maio para algo próximo a R$ 2,20 em outubro, uma variação de 53% segundo dados do CEPEA. “Os anos anteriores também tiveram a mesma flutuação, onde certamente predominaram margens muito estreitas em boa parte desse período, o que torna a atividade vulnerável a qualquer tipo de planejamento e investimento”, pontuou.

Joel Dalcin considera insuficientes as propostas debatidas – Foto: Arquivo pessoal

Produtor questiona alternativas

Uma das lideranças do movimento Construindo Leite Brasil, o produtor gaúcho Joel Dalcin acha que as soluções discutidas pela Aliança Láctea Sul Brasileira são insuficientes para superar a crise no setor.

“A elite buscando soluções! Que gente! Que vergonha! Sempre o mesmo discurso: o produtor tem que se reinventar, buscar alternativas. De que jeito? Se a soja e o milho sobem, sobe tudo.”

Para ele, as sugestões apresentadas para substituir o milho, como cevada, centeio e triticale, não servem. “As alternativas não têm a mesma qualidade e níveis nutricionais. Além disso, os preços desses grãos também aumentam.”

Na avaliação de Joel Dalcin, o produtor não tem como escapar desse aumento de despesas. “Fertilizantes, combustíveis e sementes tiveram aumentos.”

O produtor gaúcho não vê novidades nas propostas apresentadas. “Entristece ver que tem uma elite supostamente desenvolvida sempre com a mesma conversa. Está na hora de a gente acordar para a realidade. Acordem antes que seja tarde. Enquanto isso, o produtor está sempre carregando nas costas o resultado da falta de estruturação do setor.”

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: