Sem Convênio ICMS 100, custos de produção do agro vão subir mais, diz CNA

Foto: Embrapa

Se o Convênio ICMS 100 não for prorrogado, o agronegócio vai ter prejuízos expressivos, como uma alta estimada em mais de 12% nos custos de produção, dependendo da cultura, além de um aumento na inflação prevista de até 9,5%. O alerta é da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que defende a prorrogação do benefício até o dia 31 de dezembro de 2023.

No caso da soja, por exemplo, o Custo Operacional Efetivo (COE), que mede os desembolsos no dia a dia da atividade, pode subir 12%, representando uma despesa de R$ 363,36 a mais por hectare para o cultivo da oleaginosa, reforça a CNA.

O convênio, que prevê a isenção tributária em operações internas e reduz a base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na comercialização interestadual de insumos agropecuários, vale até o dia 31 de março.

A renovação do benefício será decidida nesta sexta-feira (12), em reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne os 27 secretários da Fazenda dos estados e do Distrito Federal.

“A renovação é uma necessidade tanto para que os produtores possam ter seus custos em patamares competitivos quanto para a economia nacional, pois uma menor produção afetará a balança comercial brasileira”, diz coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon.

Segundo ele, além de aumentar os custos de produção, o fim do incentivo vai elevar os preços dos produtos agropecuários para a população. Também não existe previsão de como o crédito pago será devolvido aos produtores, já que o ICMS é um tributo não cumulativo. “Questões técnicas não foram apresentadas pelo Confaz sobre como esses créditos tributários seriam devolvidos ao produtor.”

De acordo com os cálculos da CNA, o aumento do custo de produção do algodão pode ultrapassar 11% e os gastos para cultivar um hectare devem ter alta de R$ 1.194,34, totalizando custos adicionais de R$ 1,7 bilhão por ano.

Com o possível fim do Convênio 100, o produtor terá que desembolsar R$ 1.371,07 a mais por hectare (alta de 8,2%) para cultivar laranja. Para o arroz, o aumento será de R$ 425,40 por hectare, R$ 458,16 para o feijão e R$ 1.527,38 para a banana, altas de 6,8%, 12,3% e 8,1% respectivamente.

Conforme estimativa da CNA, as culturas de soja, algodão, arroz, feijão, laranja, banana, cana-de-açúcar, trigo, mamão, uva, manga, café e milho, podem sofrer, juntas, impacto de cerca de R$ 30 bilhões a mais de custo, se o benefício não seja renovado. No caso da pecuária, o aumento poderá ser de até R$ 20 bilhões.

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: