Definidos produtos das áreas experimentais da 32ª Abertura da Colheita do Arroz

Foto: Talyssa Machado/Embrapa

Um dos grandes desafios a cada planejamento e organização da Abertura Oficial da Colheita do Arroz (Aoca) é trazer inovações, novas soluções para os problemas do cotidiano do agricultor, seja por meio de novas cultivares, práticas agropecuárias ou sistemas de produção. A Metade Sul do RS, numa organização conjunta entre a Embrapa e o Irga, no quarto ano consecutivo, já está com as áreas das lavouras experimentais bem definidas. A 32ª edição acontecerá entre os dias 16 e 18 de fevereiro de 2022, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em base localizada no Capão do Leão/RS. O evento é coordenado pela Federarroz.

Um dos responsáveis pelo planejamento das lavouras experimentais no evento é o engenheiro agrônomo e coordenador regional Zona Sul do Irga, André Matos. Segundo ele, o diferencial nesta edição é a apresentação de vários métodos de irrigação para que se possa vislumbrar para o setor uma atividade produtiva com uso da rotação de culturas, o que é fundamental para a sustentabilidade do arroz.

No atual momento é utilizada a cultura da soja, embora haja também possibilidade de uso da cultura do milho. Para ele, as soluções de irrigação, somadas ao lançamento de tecnologias de empresas privadas em complemento às já existentes, vão oferecer alternativas de controle de plantas daninhas resistentes, doenças e também fomentar ações de integração-lavoura-pecuária (ILP), tema este que cresce na região e é uma atividade fundamental para dar sustentabilidade e longevidade a atividade orizícola.

“Pretende-se espelhar nas áreas das lavouras experimentais da Aoca o que a Metade Sul do Estado vem fazendo, então não se tem como deixar de apresentar a ILP, a irrigação e todos os métodos disponíveis, pois teremos a apresentação de lavouras com irrigação por aspersor, irrigação por pivô central, irrigação subterrânea e irrigação por sulco-camalhão. Outro elo de tecnologia que se liga à agricultura e que a gente vem trazendo ao longo das edições do evento, e não se pode deixar de fora, é a pecuária. Este ano resolvemos dar um foco maior ao destinar uma área exclusiva para ILP, com uma vasta coleção de cultivares de forrageiras da Embrapa e de outras empresas que se somaram à ideia”, disse.

Novas cultivares

Duas novas cultivares serão lançadas na 32ª Aoca. O Irga vai apresentar um produto de pesquisa com a cultivar de arroz irrigado 426 CL, ainda mais precoce que as compõem o seu portfólio de produtos. A Embrapa lançará a cultivar de arroz irrigado BRS A705, que é uma evolução da BRS Pampa, com flexibilidade no manejo, resistência ao acamamento, porte reduzido (plantas baixas), com possibilidade de uso no sistema pré-germinado e com alta produtividade, ultrapassando a marca de mais de 10 ton/ha.

Vitrines de grãos da Embrapa

O pesquisador Elbio Cardoso, responsável pela coordenação das lavouras experimentais pela Embrapa para a abertura da colheita, explica que a empresa mostrará áreas demonstrativas com cultivares de arroz, soja e milho, além de técnicas de manejo das culturas e do solo em terras baixas.

Serão demonstrados o desenvolvimento e desempenho das cultivares de arroz BRS Pampa CL, BRS Pampeira, BRS A705 e BRS A704. Quanto à cultura da soja, serão apresentadas cultivares de ciclo precoce e médio; para o milho a ênfase será ao manejo voltado à alta produtividade em terras baixas, cultivado com irrigação no sistema sulco-camalhão.

O pesquisador Giovani Theisen está envolvido na área demonstrativa de soja e milho da Embrapa e conta que será possível visualizar lado-a-lado os métodos de manejo de solo como o sulco-camalhão e o camalhão de base larga. Além disso, as cultivares apresentadas têm distintos ciclos e épocas de semeadura, para demonstrar a diversidade de sistemas de produção e a adequação das opções ao modelo predominante na propriedade rural.

“Aqueles produtores que trabalham com pecuária integrada à produção de grãos podem usar materiais de ciclo mais curto, para que consigam ter a pastagem estabelecida logo no início do outono/inverno, após uma soja precoce ou milho; é importante adiantar a época que a pastagem está disponível aos animais. Tudo isso para demonstrar que uma atividade pode e deve se integrar à outra, isto é, pode-se tirar a soja ou milho, e já colocar de imediato a pecuária; ganha-se no aspecto técnico, e ganha-se no aspecto econômico”, explica.

Na cultura do milho a ênfase será para a obtenção de alta produtividade com irrigação e destacará os quesitos de população e época de semeadura. “Vamos mostrar que a melhor época para o milho irrigado é o que chamamos semeadura do cedo ou de ‘meio-termo’ para a obtenção de alta produtividade; no plantio do tarde, comum na região, o potencial da cultura é bem menor pela própria incidência de luz solar, que diminui, dentre outros fatores, como a maior ocorrência de pragas”, disse.

Vitrines de forrageiras de verão para ILP

Como opção às atividades de ILP, durante a feira poderá ser visto pelo público visitante uma coleção de forrageiras de verão sob diferentes formas de manejo. As cultivares de Brachiaria BRS Ipyporã, Panicuns BRS Quênia, BRS Tamani e BRS Zuri, Capim elefante anão BRS Kurumi, Capim elefante BRS Capiaçu, Trevo BRS Resteveiro, Trevo vermelho BRS Mesclador, Trevo Branco BRS URS Entrevero, Trevo vesiculoso BRS Piquete, Cornichão URS BRS Posteiro e Capim Sudão BRS Estribo serão conferidas nas seguintes formas de manejo:

*Pasto sobre pasto: pastagem de verão sobre pastagem de inverno e perenes;

*Pasto 365: manejo e cultivares para oferta de forrageiras durante os 365 dias do ano;

*Manejo de espécies invasoras no campo nativo;

*Cultivo de milho, sorgo granífero e capim sudão em camalhões de base larga.

Universidades

Além da Embrapa e do Irga, as empresas parceiras participantes estarão também apresentando seus portfólios, assim como, os portfólios de todos os cultivos. De acordo com André Matos também serão mostradas, como no ano passado, a aproximação das principais universidades – Ufrgs, UFSM, Ufpel – ligadas ao setor arrozeiro e os trabalhos desenvolvidos pela Epagri/SC, uma empresa pública que está ligada diretamente ao arroz e que tem seu protagonismo nas áreas de pré-germinado. “Com todas estas instituições junto ao Irga e Embrapa, teremos o portfólio de pesquisa pública robusta e completa com entregas de novidades para os produtores”, destacou.

Participação de público

“Quanto a expectativa de um maior número de visitantes nesta edição de forma presencial é  contar com a presença de um público, se não totalmente livre dos riscos do covid-19, mas ter a realização de uma edição próxima disso”, pontuou Matos. Ele está otimista em receber um grande público, pelo fato do cumprimento de todas as normas de segurança sanitária pela coordenação do evento.

“Temos um conforto que a vacinação trouxe na redução de casos, o que nos faz ser esperançosos em contar com um público em massa como ocorreu em 2020, já que em 2021, ficamos prejudicados pela pandemia. Estamos à espera do público ligado à cadeia do arroz, sejam eles, produtores, consultores, estudantes, na Estação de Terras Baixas”, convocou.

Na edição passada a presença de público foi programada para cerca de 800 visitantes por dia. Para 2022, são esperados mais de 10 mil visitantes durante todo o evento, que seguirá no formato híbrido.

Da Embrapa Clima Temperado

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: