Azeites gaúchos conquistam consumidores; região de Caçapava do Sul é destaque

Foto: Divulgação

Ivanir José Bortot//Especial para o AGROemDIA

O azeite do Rio Grande do Sul passa hoje pela mesma experiência vitoriosa na conquista dos paladares de consumidores dos bons vinhos e espumantes da Serra Gaúcha. Com isso, o estado já é referência nacional na olivicultura, com a qualidade de seus azeites sendo reconhecida em premiações internacionais.

Com apenas 15 anos de introdução de mudas importadas da Itália, Espanha, Portugal, Grécia e adaptadas pela Embrapa, a região de Caçapava do Sul, entre outros 108 municípios, é um dos destaques da olivicultura gaúcha. As oliveiras se adaptaram bem ao frio e altitude do município, algo que só existe, em condições semelhantes, na Serra da Mantiqueira.

Este ano, em cerca de 10 mil hectares de plantações de oliveiras, o Rio Grande do Sul deve produzir 448,6 mil litros de azeite, aumento de 122% em relação ao ano anterior.

O começou não foi fácil. Muitos pequenos produtores perderam tudo por falta de manejo adequado, seca e recursos para investimento.

O modelo de negócio de maior sucesso é de investidores bem estruturados em recursos financeiros e assistência de especialistas do Brasil e países vizinhos. Os primeiros resultados de produção e processamento do azeite começam ocorrer entre quatro e cinco anos depois do plantio.

Foto: Divulgação

Azeite Torrinhas

“O investimento na cultura das oliveiras é significativo comparado a outras e ainda necessita de tempo para realização, visto que mais ou menos no sétimo ou oitavo ano de cultivo é que a planta chega ao seu ápice produtivo. Até lá, é necessário investir em manejo, controle de pragas, pessoal e tudo aquilo que é importante para a manutenção de um pomar. Desta forma, pequenos produtores precisam fazer uma grande engenharia econômica para se manter”, disse Rafael Buchabqui, produtor do azeite Torrinhas, no município de Pinheiro Machado, onde tem 90 hectares de oliveiras plantadas a partir de 2017.

Por ser um produto de alto valor agregado e qualidade muito superior ao importado, os preços ainda são o principal obstáculo para o azeite nacional ampliar ainda mais o consumo doméstico. O Brasil é o segundo maior importador de azeite de oliva do mundo, perdendo apenas para os EUA. E o que chega aqui são azeites baratos de qualidade duvidosa, muitas vezes de safras antigas e outras tantas de azeites adulterados ou fraudados. Hoje, o azeite gaúcho, em geral extra virgem, e o da Serra de Mantiqueira já conquistaram 5% do mercado brasileiro.

O Azeite Torrinhas entrou neste mercado em 2021.   Desde então, vem conquistando consumidores com blends frutados suaves e intensos, constituídos a partir das oito variedades de azeitonas produzidas na propriedade. Na safra de 2022, aumentou sua produção e ainda lançou, além dos dois blends já existentes, um azeite da variedade espanhola Picual, marcada pela picância, amargor e sabor sofisticado.

Um dos segredos para o azeite nacional – como o Torrinhas – estar sendo reconhecido é o frescor obtido na colheita precoce da azeitona, bem como a tecnologia e cuidados artesanais que garante complexidade e sabor diferenciados.

E exemplos de qualidade do que está sendo produzido no Rio Grande do Sul não faltam. O último foi do azeite Milonga, que recebeu o prêmio de melhor azeite do Hemisfério Sul pelo EVO IOOC da Itália.

O município de Caçapava do Sul – cidade histórica que já hospedou o Imperador Dom Pedro II e onde nasceu Borges de Medeiros, além de ter sido a segunda capital farroupilha – promoveu neste fim de semana a primeira “Festa do Azeite de Oliva”, com direito a rainhas, como é feito em Caxias do Sul com a Festa da Uva.

A economia de Caçapava do Sul, até então, dependia basicamente da pecuária e calcário. Agora, as oliveiras apontam um novo cenário, com seus azeites que começam a conquistar o paladar dos consumidores.

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Um comentário em “Azeites gaúchos conquistam consumidores; região de Caçapava do Sul é destaque

  • 31 de maio de 2022 em 10:48
    Permalink

    Gostaria de fazer uma visita em Viamâo , a respeito de olivais , como proceder. Meu número de telefone é 984492410 . Julio Gnoatto. . Gravatai

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: