Casos de tráfico humano no setor agrícola preocupam relatora da ONU

Foto: Alessandro Penso/FAO/Divulgação

Da ONU News

O tráfico de seres humanos no setor da agricultura é uma preocupação grave que afeta crianças e adultos. Uma situação que é resultado do “crescimento do agronegócio e do poder das corporações aliado ao rápido ritmo da mudança climática que só piorou os riscos de tráfico”. A afirmação foi feita pela relatora especial sobre tráfico de pessoas, Siobhán Mullally, durante a apresentação de um relatório ao Conselho de Direitos Humanos, em Genebra.

Direitos humanos e ambientais

Ela destacou altos índices de informalidade no setor agrícola, falta de proteção e de supervisão na indústria de produção de alimentos e trabalho infantil.

Um outro problema é a prevalência de tráfico humano para trabalho forçado em lavouras. A relatora afirma a importância de medidas para combater o crime e de proteção de direitos humanos e ambientais.

Siobhán Mullally disse que meninas e meninos estão sendo alvos de riscos constantes no trabalho infantil nos campos apesar do compromisso global para erradicar a prática até 2025.

Falhas na assistência, proteção e prevenção

O relatório expressa preocupação com o aumento da prática que afeta 8,4 milhões de trabalhadores infantis nos últimos quatro anos, no mundo. O trabalho agrícola é reconhecido como um ponto de entrada para meninos e meninas.

A especialista em direitos humanos também advertiu sobre a situação das mulheres expostas aos riscos de tráfico e outras formas de violência incluindo abuso sexual e assédio.

Mullaly diz que quando o trabalho das mulheres na agricultura é invisível, ocorrem também falhas na assistência, proteção e prevenção.

A relatora citou a desigualdade de gênero na propriedade da terra que leva à pobreza, à dependência e a riscos de violência.

Migração e covid-19

Meninas e mulheres são traficadas para todos os tipos de exploração incluindo trabalho forçado, abuso sexual e casamento forçado.

A discriminação contra mulheres e meninas indígenas aumenta os riscos de tráfico e limita a proteção das vítimas.

A relatora falou ainda de trabalhadores temporários que são impactados por políticas de migração, e das consequências da pandemia de Covid-19. Siobhán Mullally citou o papel dos sindicatos de trabalhadores para combater o tráfico de pessoas.

Em outubro, ela deverá apresentar um novo relatório sobre o tema à assembleia geral.

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: