Brasil não consegue ultrapassar condição de exportador de commodities agrícolas

a soja em grão
Fotos: Paulo Lanzetta/Embrapa

Na coluna Vaivém das Commodities desta terça-feira (17), na Folha de S.Paulo, Mauro Zafalon faz interessante análise sobre o fato de o Brasil ter dificuldade histórica de agregar valor ao produto, embora seja um grande exportador de commodities agrícolas.

O resultado disso, assinala o colunista, pode ser observado agora com a soja, que segue o exemplo do café: em ambos os casos, o país lidera as exportações mundiais em grãos, mas não consegue ter ganhos maiores porque não vende produto com valor agregado.

Mais do que discurso, a agregação de valor ao produto agrícola exige uma série de medidas práticas. Os ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e a cadeia do agronegócio sabem disso.

Certamente, têm plena consciência sobre o que precisa ser feito para o país deixar de ser um mero exportador de commodities agrícolas. Logo, se nada fazem de mais proativo, é porque preferem se conformar com essa condição no mercado global a buscar uma posição de maior competividade no comércio mundial.

Leia trechos da coluna de Zafalon:

“Há décadas, o Brasil é líder mundial na produção e na exportação de café. O país se distancia cada vez mais, porém, das receitas mundiais geradas por esse produto.

A industrialização e a geração de “blends” (misturas) para a bebida com cafés de diferentes regiões do mundo são o que interessam hoje ao mercado internacional.

O Brasil, contudo, fecha as portas a esse tipo de industrialização e comercialização da bebida, proibindo a importação de café verde.

Com isso, o café perde espaço nas receitas externas obtidas pelo país com as exportações do agronegócio.

É a soja que agora ganha corpo. O Brasil é o maior exportador da oleaginosa e caminha também para ser o maior produtor mundial, desbancando os Estados Unidos.

A soja segue, porém, o caminho do café. Enquanto a exportação de soja em grãos da Argentina atinge apenas 14% do que ela produz, a do Brasil é de 60%. A tributação argentina dificulta a exportação do grão, ao contrário da brasileira, que a facilita.

O Brasil necessita exportar soja em grãos – e vai continuar exportando–, mas deveria aumentar mais a industrialização do produto, acrescentando valor agregado.

Isso não será fácil, uma vez que o maior importador do mundo, a China, já se antecipou e definiu como quer a matéria-prima.

Os chineses facilitam as importações de grãos e dificultam as de farelo e de óleo.

O cenário para o mercado ficará ainda mais complicado nos próximos anos.

Afinal, as tradicionais “tradings” começam a sofrer a concorrência de grandes estatais chinesas, que estão adquirindo empresas no setor e entrando na comercialização de soja.”

Leia mais aqui.

a cafe grão

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: