Projeto Algodão Paraíba deve ter assistência técnica coletiva na safra 2018

projeto algodao paraiba
Foto: Alexandre Oliveira/Embrapa

Otimistas com a previsão de chuvas regulares para este ano, mais de 300 produtores já aderiram ao Projeto Algodão Paraíba em 2018.  Por isso, eles se reuniram com cerca de 30 extensionistas da Emater-PB e a equipe de transferência de tecnologia da Embrapa Algodão, em Campina Grande, para planejar as atividades da safra, que prevê a assistência técnica coletiva. Durante o encontro foram discutidas estratégias para aumentar a produtividade, reduzir os custos de produção e melhorar os rendimentos do produtor.

“A meta a ser alcançada nos próximos cinco anos de chuvas é uma produtividade média por propriedade de 100 arrobas por hectares, ou seja, 1.500 quilos por hectare”, diz o supervisor de transferência de tecnologia da Embrapa Algodão José Geraldo Di Stefano.

Segundo o diretor técnico da Emater-PB Vlaminck Saraiva estão cadastrados mais de 300 produtores em Souza, Itaporanga, Picuí e municípios circunvizinhos, mas este número deve aumentar até o mês de abril, quando começa a época de cultivo nos municípios de Areia, Solânea, Guarabira e Campina Grande.

A expectativa para este ano é que cada agricultor cultive em média um a dois hectares, com uma produtividade de mil a 1.200 quilos de algodão por hectare. Toda a produção será vendida para as empresas Norfil (João Pessoa) e Vert Shoes (França), que fornecerão semente, sacaria e se responsabilizarão pela logística de escoamento da produção. O algodão em rama (pluma e caroço) será vendido a R$ 2,40 o quilo.

“Futuramente, o projeto vai evoluir para que o produtor possa beneficiar sua produção e fique com o caroço para integrar com outras cadeias produtivas como a caprinovinocultura e também tenha a sua própria semente para que possam negociar a pluma com outros compradores”, afirma Vlaminck.

No encontro, também foram tratadas questões como o zoneamento agrícola e a melhor data de plantio nas diferentes regiões do estado, elaboração de calendário para visitas com equipe multidisciplinar nas áreas produtoras, informações técnicas das áreas plantadas, tais como análise de solo, pluviometria, monitoramento de pragas e produção de sementes, entre outras.

Assistência técnica coletiva

Entre as estratégias que serão adotadas para beneficiar o maior número possível de produtores, estão a assistência técnica coletiva e o cadastramento de agricultores em comunidades ou associações. “Realizaremos visitas de campo periódicas nas áreas do produtor, nas principais fases do ciclo do algodoeiro, por exemplo, preparo do solo, plantio, desbaste, monitoramento do bicudo, colheita. Em cada etapa, o assessoramento se dará na área de um produtor diferente e todos os outros produtores do entorno participam”, explica o diretor técnico da Emater-PB.

Para Vlaminck, além maior eficiência na assistência técnica, as capacitações coletivas também ajudam a fortalecer os laços comunitários, o associativismo e o cooperativismo. “Ao visitar as propriedades um do outro, os agricultores interagem mais e ganham mais força para negociar suas produções”, observa.

Outro benefício indireto do cultivo do algodão agroecológico em consórcio com culturas alimentares apontado pelo diretor técnico da Emater-PB é a possibilidade de regular o preço das outras culturas.

“Tivemos relatos de agricultores que puderam guardar seu milho e feijão para vender quando tivesse com melhor preço e conseguiram vender pelo dobro do que seria logo após a colheita. Isso porque eles tinham a segurança de uma renda garantida com o contrato de venda do algodão”, relata.

Da redação, com Embrapa Algodão

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: