Moçambique busca experiência brasileira em extensão rural

anater moçambique
Foto: Divulgação/Anater

Uma delegação de Moçambique visitou a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), nesta semana, em Brasília, para conhecer os projetos desenvolvidos junto aos produtores rurais. O país africano tem cerca de 4 milhões de agricultores familiares, e a cobertura de Ater é de cerca de 17%.

A missão é resultado de acordo de cooperação com a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) para compartilhar experiências e conhecimento sobre políticas voltadas à agricultura familiar e à extensão rural.

O presidente da Anater, Valmisoney Moreira Jardim, mostrou aos africanos como ela se estruturou para gerir o sistema nacional de assistência técnica e extensão rural. “A agência tem uma proposta inovadora de gestão para efetivar os projetos.”

Em algumas regiões do Brasil, como o Semiárido e Norte do país, o desafio dos extensionistas é bem parecido com a realidade vivenciada pelo setor em Moçambique, assinalou Valmisoney.

O assessor internacional da Sead, Ricardo Garcia França, enfatizou que Moçambique é o país africano estreita cooperação com o Brasil. “Em certa medida, é uma porta de entrada para a África. A troca de conhecimentos serve para inspirá-los a construir o processo deles.”

Identificação

Embora a Ater seja tema central do diálogo com Moçambique, observou Garcia, a cooperação inclui ainda agricultura familiar e as políticas públicas voltadas ao setor, como a criação de identificação semelhante à Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP).

Segundo o diretor de Documentação e Informação Agrária do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar de Moçambique, Germano Amado, a Ater no país é feita pelo Estado em quase todos os distritos (equivalentes a município no Brasil).

Além de apoiar o produtor, os serviços distritais desempenham o papel social, fazendo interlocução com pessoas vulneráveis e divulgando campanhas como a de vacinação.

Moçambique está atualizando seu Plano Diretor de Extensão Rural. A ideia é que uma extensionista atenda até 250 produtores por ano. Hoje, cada um chega a acompanhar 600 produtores anualmente.

Representante da União Nacional dos Camponeses (UNAC), Bartolomeu Antônio disse que participar da cooperação é um ganho para os camponeses. “Estamos discutindo políticas agrárias do nosso país.”

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: