Temer sanciona lei que cria Conselho Federal dos Técnicos Agrícolas

temer e limberger
Foto: Divulgação/Fenata

O presidente Michel Temer sancionou a lei, aprovada pelo Congresso Nacional, que cria o Conselho Federal dos Técnicos Agrícolas e o Conselho Federal dos Técnicos Industriais. O anúncio foi feito pelo deputado Darcísio Perondi (MDB/RS), por meio de vídeo divulgado em um grupo de mensagem por aplicativo da Federação Nacional dos Técnicos Agrícolas (Fenata).

“O presidente da República sancionou o projeto de lei que a Câmara e Senado votaram em relação à criação dois conselhos”, diz Perondi, no vídeo. “Isso é um alívio de uma luta de 30 anos. Nós, da Federação  Nacional dos Técnicos Agrícolas, contamos com o apoio de muitos parlamentares, mas o senhor fez a diferença”, acrescenta o presidente da Fenata, Mário Limberger.

A sanção da lei “liberta definitivamente a nossa profissão do Confea e dos CREAS”, destaca Limberger, referindo-se à vinculação que os técnicos agrícolas tinham, até agora, com o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia e os conselhos regionais de engenharia e agronomia.

“Foi uma vitória do trabalho, da persistência e da convicção de todas as lideranças [dos técnicos agrícolas] do Brasil”, enfatiza Limberg no grupo de mensagens. “Depois de muito trabalho e dedicação, os técnicos agrícolas conseguem pelas mãos do presidente Temer a carta da alforria”, assinala o presidente da Fenata. A lei também cria os conselhos regionais dos técnicos agrícolas e os conselhos regionais dos técnicos industriais.

Sintaes

O Sindicato dos Técnicos Agrícolas de Nível Médio do Espírito Santo (Sintaes) também comemorou a sanção da lei pelo presidente Temer, relata o primeiro secretário da entidade, Douglas Daniel.

Em mensagem à categoria, o presidente do Sintaes, Iosmar Luiz Mansk, escreveu: “Vamos tomar essa luta como exemplo para unir e reforçar a nossa organização em prol do desenvolvimento da nossa profissão.” Ele também agradeceu à bancada federal do ES pelo apoio, especialmente à senadora Rosa de Freitas.

De acordo com o Sintaes, a lei será publicada na edição desta terça-feira (27) do Diário Oficial da União.

 

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

17 comentários em “Temer sanciona lei que cria Conselho Federal dos Técnicos Agrícolas

  • 26 de março de 2018 em 19:12
    Permalink

    O que mudará com isso? O técnico poderá prescrever receitas?

    Resposta
    • 26 de março de 2018 em 20:54
      Permalink

      Gabriel, o técnico agrícola poderá exercer as atribuições previstas na legislação que regulamenta a profissão

      Resposta
      • 27 de março de 2018 em 09:55
        Permalink

        Mas ja não podia fazer isso?

  • 26 de março de 2018 em 21:07
    Permalink

    O projeto é para a criação do conselho federal dos técnicos agrícolas e industriais e não dois conselhos como citado.

    Resposta
    • 27 de março de 2018 em 12:41
      Permalink

      Vc está enganado. Cria dos conselhos,sim.

      Resposta
  • 26 de março de 2018 em 21:57
    Permalink

    Espero que abaixe o valor da anuidade. Que sempre o Crea nos cobrou um absurdo e nunca fez nada por nós.

    Resposta
  • 27 de março de 2018 em 06:54
    Permalink

    Aprovou mesmo já saiu no diário oficial já foi publicado

    Resposta
    • 27 de março de 2018 em 12:40
      Permalink

      Saiu nesta terça 27

      Resposta
  • 27 de março de 2018 em 08:51
    Permalink

    E nosso piso salarial? vai ser sancionado também??…

    Resposta
  • 27 de março de 2018 em 11:41
    Permalink

    Por que sair? O que tinha de errado?

    Resposta
  • 27 de março de 2018 em 12:36
    Permalink

    Como será o piso salarial, Visto que a realidade da faixa salarial muda muito de município pra município. Vai ser estipulado um piso salarial assim como tem os engenheiros e arquitetos?

    Resposta
  • 27 de março de 2018 em 13:09
    Permalink

    Rafael demais colega bom dia, sou o Douglas Daniel 1° SECRETÁRIO do SINTAES-Sindicato dos Tec. Agrícolas de Nivel Médio, atualmente, filiado FINTA-BR Federação dos Técnicos Agrícolas do Brasil.

    O fato mudará muito coisa como por exemplos, autonomia e espaço no mercado de trabalho, aprovação de curso e fiscalização que será feita pelos por nós TÉCNICOs uma vez que o CREAs em alguns ESTADO deixou de atender a demanda… não sei como é no seu estado.

    A prescrições de receituário não mudará nada ate porque esta na Lei 4560/2002 DISPÕE DA REGULAMENTAÇÃO Da PROFISSÃO DE TÉCNICO AGRÍCOLAS

    Resposta
  • 27 de março de 2018 em 14:31
    Permalink

    Vai haver algum benefício como piso salarial ou apenas mais uma lei apenas para criar cargos públicos ?

    Resposta
  • 2 de abril de 2018 em 00:05
    Permalink

    PARABÉNS FENATA por essa conquista importante para nós técnicos agrícolas! Se não fosse a garra do Presidente Mário Limberger, através da FENATA e de suas entidades filiadas teríamos que dividir nosso conselho com os Técnicos Industriais.. Parabéns!!!

    Resposta
  • Pingback:Técnicos se emancipam do sistema CREA/CONFEA

  • 26 de julho de 2018 em 13:33
    Permalink

    Até agora não entendi o que este órgão vai beneficiar os tectécni agrícolas do país parece ser mais um órgão para criar cargo público e tomar dinheiro de quem tá trabalhando… O CREA já faz muito bem isso benefício nenhum para os técnicos palhaçada.. mais trabalho e Menas conversa com a bunda no sofá. País corrupto de gente sem vergonha aproveitando da desgraça alheia.

    Resposta
  • 13 de setembro de 2018 em 11:50
    Permalink

    Acredito que trocaram o seis pelo meia duzia, pois nas atribuições o que vale é a matriz curricular a qual o profissional se qualificou e sendo assim, continua por lei o mesmo.
    Sobre anuidade os técnicos irão pagar, e talvez até mais para fortalecer a instituição no início sendo que a mesma nem sede tem para atendimento ao profissional,caso contrario não acredito que se estabilize a nível nacional como o CONFEA.
    Enfim,espero que essa pseudo libertação não leve o profissional técnico em um regime escravata , sendo que esse profissional já é um tanto sugado nesse Brasil.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: