GO: Troca de saberes no I Encontro Nacional dos Núcleos de Agroecologia

aaa imagerm Sistematização-de-Experiencias-768x576

Sim, é possível construir – dentro e fora das universidades – caminhos para que o ensino, a pesquisa e a extensão possam seguir juntos. Esta é uma das principais propostas dos núcleos de agroecologia, que terão a primeira reunião nacional de hoje (8) até segunda-feira (11), no Centro de Formação do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), no município goiano de Luziânia, no entorno do Distrito Federal.

O I Encontro Nacional dos Núcleos de Agroecologia deve reunir mais de 170 pessoas de instituições de pesquisa, ensino e extensão de todo país. O evento antecede o VI Congresso Latino-americano de Agroecologia, X Congresso Brasileiro de Agroecologia e V Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno, que será realizado de terça (12) a sexta-feira (15), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

As cinco regiões do país tem hoje mais de 280 Núcleos de Agroecologia. De acordo com a presidente da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA) e coordenadora do projeto de Sistematização de Experiências, Irene Cardoso, os núcleos são a continuidade de um trabalho muito anterior construído pelos grupos de agricultura alternativa nas universidades e nos órgãos de pesquisa e extensão.

Práticas inovadoras

“Os núcleos, apesar de muitos desafios, ao reconhecerem que os saberes das comunidades são legítimos, se tornam mananciais de práticas inovadoras que ampliam a forma de compreender a ciência, construir o conhecimento e, assim, transformar a realidade”, destaca Irene.

AAA agroecologia _ irene_alianza
Irene: núcleos são mananciais de práticas inovadoras – Divulgação/ ABA Agroecologia

Além de desenvolver projetos, os núcleos são espaços dialógicos onde ocorrem os processos contínuos de formação e interação nos territórios onde estão inseridos. Segundo os participantes dos núcleos de agroecologia, não é de hoje que as diferenças entre o conhecimento científico, os olhares dos extensionistas e a sabedoria do povo na agricultura são objetos de análise e debate.

Para eles, o que está em jogo é a construção de metodologias que respeitem o direito das comunidades, reconheçam seus saberes e superem a visão imposta pela Revolução Verde. Por isso, acrescentam, um dos objetivos do encontro é construir caminhos de avaliação das políticas nos quais as transformações reais possam ser percebidas no ensino, na pesquisa, mas, sobretudo, na vida das pessoas.

Ressaltam ainda que a agroecologia, ao fortalecer a luta por uma ciência mais humanizada, territorializada e comprometida com as lutas do povo, estimula a construção de novos caminhos nos quais todas e todos podem ser sujeitos da produção de conhecimento.

Os resultados desse trabalho, apontam, são trajetórias acadêmicas e profissionais que passam a ter a agroecologia como caminho possível: feiras de alimentos saudáveis que são viabilizadas; estratégias de conservação ambiental, do solo, da água e das sementes; e o fortalecimento da juventude, no campo e na cidade.

Da redação

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: