Maioria dos produtores de orgânicos do DF tem certificação

luciana dinato sindiorganicos
Luciana Dinato, coordenadora técnica do Opac Cerrado – Foto: Divulgação

A produção agrícola orgânica do Distrito Federal não quer apenas crescer em produção e comercialização. Os produtores do setor também estão preocupados em assegurar aos consumidores a certeza de que levam para casa alimentos 100% orgânicos, desenvolvidos a partir das normas estabelecidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Hoje, dos quase 260 associados ao Sindiorgânicos-DF, cerca de 180 têm certificação pelo sistema Opac (Organismo Participativo de Avaliação de Conformidade) Cerrado. Os demais estão em busca de certificação por meio da Opac ou foram habilitados por outras certificadoras.

Com a certificação, os agricultores podem exibir nas embalagens o Selo Único Oficial do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica. O selo indica que toda a produção foi inspecionada, controlada e certificada por organismos credenciados pelo Mapa. Alimentos orgânicos são cultivados sem o uso de agrotóxicos.

No Brasil, os produtores podem obter a certificação por auditoria ou pelo sistema Opac. Em Brasília, a maioria dos filiados do Sindiorgânicos busca o selo via Opac.

Engenheira agrônoma e consultora em agropecuária, Luciana Dinato é responsável por orientar os filiados do Sindiorgânicos a obter a certificação pelo sistema Opac. Segundo ela, o processo exige a formação de um grupo com, no mínimo, cinco produtores orgânicos e, no máximo, 12. Para participar de um grupo, o produtor precisa estar trabalhando com agricultura orgânica há pelo menos um ano e meio, informa Luciana.

Na primeira etapa do processo de certificação – explica a engenheira agrônoma e também coordenadora técnica do Opac Cerrado –, os participantes do grupo fazem visitas mútuas às propriedades para ver se as diretrizes do Mapa estão sendo seguidas.

“Na segunda fase, as propriedades são visitadas por outros grupos de produtores orgânicos que igualmente avaliam o cumprimento das normas”, diz Luciana. Se for constatado que a área cumpre o plano de manejo e o restante da legislação do Mapa, o produtor obtém o selo único oficial.

“A certificação de agricultura orgânica vale por um ano”, assinala a agrônoma. Depois disso, o produtor tem que passar por nova inspeção para renovar o Selo Único Oficial do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica. O cumprimento das normas é fundamental para que a agricultura orgânica ganhe credibilidade no mercado consumidor.

Saiba mais: Agricultura orgânica ganha cada vez mais força no DF

Clique aqui para ver o mapa das feiras orgânicas do DF

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: