Aprosoja e mais 38 entidades do agro reforçam posição contra a tabela de frete

estradeiro-da-br-163-15278758605b11891479924
Julian Pereira/Aprosoja/Divulgação

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) reforçou, nesta segunda-feira (9), sua posição contra o tabelamento do frete. A entidade é uma das 39 instituições do setor agropecuário que assinaram nota divulgada pelo Instituto Pensar Agro (IPA) contra a tabela de preço mínimo para o frete.

Conforme o documento, pontua a Aprosoja, “o setor é absolutamente contrário ao tabelamento de frete e demonstra grande indignação com a tentativa do governo federal de aprovar a Medida Provisória (MP) 832, que estabelece preço mínimo para o frete rodoviário, por meio de manobras no Congresso Nacional. A Comissão Mista aprovou o texto da MP na última quarta-feira (4)”.

Ainda segundo a nota, os números dos impactos do tabelamento, em vigência desde 30 de maio, nos índices de inflação são prova contundente do erro que significa esta medida. “O IPC Fipe de junho para o setor de alimentação foi de 3,14%, sendo que em abril havia sido negativo em -0,10%. No setor de transportes o IPC em junho foi de 1,01%, tendo sido 0,05% em abril. Já o IPCA-15 do IBGE, trouxe índices de 1,57% e 1,95% para os setores de alimentação e transportes, respectivamente. Lembrando que em abril tais índices foram abaixo de 0,2%”.

“Não se pode subestimar tais impactos para o controle inflacionário brasileiro, nem tampouco afirmar, levianamente, que os ajustes inflacionários já ocorreram e são coisa do passado. Considerando que a medida provisória estabelece que os preços serão revisados semestralmente e, não havendo publicação de nova tabela, esta será corrigida para cima pelo IPCA, ficando evidente que o preço do frete terá impacto inflacionário permanente e inercial”, afirma trecho da nota do IPA.

O texto também alerta para a atual safra de milho e para a futura safra de soja, 2018/2019. “O pior ainda está por vir. A safra de grãos 2018/19 precisa ser plantada, por força de um calendário climático, entre setembro e novembro deste ano. Não se faz uma safra de mais de 200 milhões toneladas sem fertilizantes. O tabelamento do frete não só impediu o produtor rural de comprar fertilizantes no calendário correto, como também está impondo custos muito mais altos. A safra a ser colhida em 2019 terá custos de produção muito mais altos, o que pressionará os preços dos alimentos. Além disso, na perspectiva de maiores custos e incapacidade de adquirir o fertilizante necessário, a produção vai cair”.

Leia aqui a íntegra da nota do IPA

Da redação, com Aprosoja/MT

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: