Jerônimo Goergen: Produtor rural deve ter tratamento igual ao dos caminhoneiros

0

jeronimo goergen 16 4 19
Goergen defende juros menores para produtores rurais – Reila Maria/Câmara dos Deputados

O deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS), coordenador da Comissão de Endividamento Rural da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), defende que o governo use os mesmos parâmetros da linha de crédito do BNDES destinada aos caminhoneiros para a renegociação das dívidas dos produtores rurais, a fim de baixar os juros do financiamento agrícola.

Nesta terça-feira (16), o governo anunciou a liberação de R$ 500 milhões, via BNDES, para apoiar os caminhoneiros. O limite por operação é até R$ 30 mil para a compra de pneus e a manutenção de veículos de caminhoneiros autônomos. Poderão pedir o financiamento trabalhadores com até dois caminhões registrados em seu CPF.

O parlamentar quer que o governo apoie os agricultores e pecuaristas do mesmo modo que está fazendo com o setor de transporte de cargas. “Assim como o caminhoneiro, o produtor rural também perdeu renda, até em razão da tabela de frente, que, ao final, reduziu a rentabilidade da cadeia produtiva agrícola.” Ele está aguardando mais informações sobre a linha de crédito do BNDES para os caminhoneiros para buscar isonomia aos agricultores.

Goergen adiantou que há várias medidas sendo debatidas para solucionar o problema do endividamento rural. Entre elas, a linha de crédito do Fundo de Aval Solidário, que será anunciada nesta quinta-feira (18) por meio de medida provisória.

“Vou usar a decisão de hoje dos caminhoneiros como parâmetro para que possamos ter a redução dos juros da linha do BNDES [para a agricultura]. Com o Fundo de Aval Solidário [ou Fraterno], temos mais um motivo para reduzir o spread dos bancos [diferença entre a taxa que as instituições financeiras captam dinheiro e a taxa que elas cobram ao emprestar dinheiro]”, diz Jerônimo Goergen.

A proposta do Fundo de Aval Solidário prevê que os produtores rurais se reúnam em pequenos grupos, formando um fundo financeiro como forma de garantia para novos créditos junto à rede bancária. O sistema de aval cruzado teria grupos de 10 a 12 produtores que se avalizariam entre si.

Indústrias, bancos e o Tesouro Nacional também participariam do Fundo de Aval Solidário, por terem interesse em reduzir os riscos de não pagamento por parte dos credores. Com a diminuição dos riscos, os juros ficariam mais baixos.

“Também estamos discutindo o patrimônio de afetação”, informou Goergen. Pela proposta, aprovada pela Câmara dos Deputados no final de 2018, o produtor rural pode oferecer como garantia de crédito agrícola uma parte de sua propriedade, correspondente ao valor da operação.

“Essa proposta é importantíssima para os produtores rurais terem acesso a novos financiamentos”, destacou Goergen, acrescentando que um grupo de produtores também reivindica uma carência de três anos para todas as operações do crédito agrícola.

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: