Leite orgânico: Nicho de mercado promissor ou negócio de risco?

Leite-propriedade-Foto-IRENE-MENDES gov ro
Foto: Irene Mendes/Gov.RO

Da redação/AGROemDIA

Enquanto alguns produtores enxergam o leite orgânico como um nicho de mercado com potencial para aumentar seus ganhos, especialmente num momento de crise como o que o setor vive hoje, outros consideram esse sistema de produção altamente arriscado, capaz, inclusive, de levar a propriedade leiteira à falência.

“Trata-se de uma aventura”, dispara o produtor de leite Edilberto Carneiro, do município goiano de Palminópolis, ao avaliar as iniciativas voltadas à produção de leite orgânico, algumas com o apoio de órgãos públicos, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), por meio do projeto Balde Cheio.

“Isso é um nicho de mercado para pouquíssimos produtores. A gente se preocupa ao ver o produtor, especialmente o pequeno, ser seduzido por essas coisas”, diz Edilberto, integrante do Movimento dos Produtores de Leite do Brasil, que vem reivindicando o apoio dos governos federal e estaduais e dos demais elos da cadeia (laticínios e varejo) para superar a crise sistêmica do setor.

Segundo ele, os sistemas de produção de leite orgânico e A2 – extraído de vacas que não produzem proteínas beta-caseína A1, causadoras da maioria das alergias relacionadas ao produto – são apresentados como panaceias. “E o pequeno produtor, sem condições de sobreviver ao massacre que enfrenta na cadeia produtiva, às vezes envereda para essas iniciativas e quebra.”

edilberto carneiro produtor de leite go reproducao whats
Edilberto Carneiro, produtor de leite – Reprodução/WhatsApp

O clima, o homem e a vaca

A produção de leite, acrescenta Edilberto, por si só já é complexa, dependendo de muitas variáveis. “Entre elas, há três sobre as quais não temos controle: o clima, a vaca e o próprio homem. É preciso criar harmonia entre elas. Além disso, há as questões relacionadas ao mercado, cujas oscilações são enormes.”

A atividade leiteira, prossegue, exige um nível muito grande de dedicação e profissionalização do produtor. “Então, já é um grande desafio dominar um sistema de produção como o da atividade leiteira da porteira para dentro”, pontua Edilberto.

“Agora, imagine o produtor ainda se ver na obrigação de controlar um processo industrial que, por mais simples que seja, envolve regulações de sanidade animal e de saúde pública, além de investimentos em equipamentos e instalações.”

Edilberto assinala também que o produtor que parte para verticalização, a fim de industrializar a sua produção, tem outra tarefa desafiadora: a de colocar o leite no mercado.  Isso, observa, é ainda mais complexo, porque envolve a atividade do varejo, que é altamente concentrada.

“Vendedores de ilusões”

“Os supermercados estrangulam o setor industrial, criam exigências de gôndolas e de marketing, entre outras. Como é que o pequeno produtor vai ter acesso às grandes redes de supermercados, que dominam 75%, 80% do mercado varejista? Se não conseguir, como fazer para chegar às pequenas mercearias e supermercados menores?”

Em resumo, enfatiza Edilberto, o produtor de leite que resolve buscar os nichos de mercado tem que dominar a produção, o processo industrial, com todas as exigências regulatórias e impostos, e ainda procurar o mercado consumidor – varejo ou atacado. “Isso é muitíssimo complicado. São atividades altamente concentradas, em economia de escala. É difícil o produtor sobreviver nessa situação.”

Diante disso, Ediberto não vê sentido em criar perspectiva em relação a esses sistemas de produção. “Muitas vezes, o produtor, que já é castigado pelos outros elos da cadeia, pelo governo e pela concorrência desleal com outros países, se vê forçado a entrar nessa aventura. Quando percebe que é inviável, já fez investimentos, não tem como se desfazer daquilo e vai à falência por ter sido induzido por vendedores de ilusões, por gente aluada.”

Como é que o pequeno produtor vai ter acesso às grandes redes de supermercados, que dominam 75%, 80% do mercado varejista? Edilberto Carneiro, produtor de leite

 

 

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Um comentário em “Leite orgânico: Nicho de mercado promissor ou negócio de risco?

  • 14 de agosto de 2019 em 16:17
    Permalink

    Prezado Edilberto,

    Seu alerta sobre a viabilidade de produção de leite orgânico é importante e vem ao encontro de toda a articulação da cadeia que fomentamos aqui na região central do estado de São Paulo.

    Sabemos que a comercialização de qualquer produto destinado a nichos de mercado é bastante complexa. Exige coordenação e um forte arranjo que viabilize o acesso aos insumos orgânicos, a assistência técnica especializada, a empresas certificadoras, plantas industriais também certificadas e a necessidade de contratos, além de um mercado consumidor disposto a pagar pelo maior valor agregado dos produtos. Não é uma panaceia e evidentemente não será viável para todos os produtores do Brasil.

    Isso tudo foi pensado quando a Embrapa fomentou a criação do cluster regional com este objetivo. A Nestlé entendeu a proposta e acreditou na ideia apostando em uma demanda que cresce – apesar da crise- principalmente nas grandes cidades. A indústria passou a firmar contratos com sobrepreço de 50% sobre o valor CEPEA mais bonificações de qualidade, volume e fidelidade. A presença de um parceiro forte, viabilizou a comercialização e a distribuição dos produtos tornando a opção pelo orgânico bastante atrativa. Apesar do maior custo de produção, as margens de lucro tem sido compensadoras para aqueles que já estão estruturados. Mas não é só a Nestlé, a Danone já iniciou processo semelhante firmando contratos de longo prazo com produtores da região de Poços de Caldas. Fomos procurados também por outras empresas interessadas o que demonstra que a demanda por este nicho é real.

    Espero que o senhor perceba então a Embrapa não está vendendo ilusões. Pelo contrário, está conseguindo aliar conceitos de produção eficiente (com muita tecnologia, escala de produção, produtividade, gestão do negócio, arranjos produtivos fortes) a um setor que antes era caracterizado pela produção artesanal e romântica em pequena escala. Aproveito para convidá-lo para visitar a nossa Unidade novamente e conhecer de perto o trabalho realizado por aqui.

    Atenciosamente

    André L. M. Novo
    Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Pecuária Sudeste

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: