Mercado lácteo da bubalinocultura é promissor para produtores gaúchos

Bufalos 1 Crédito Nestor Tipa Júnior AgroEffective Divulgação
Foto: AgroEffective/Divulgação

Mercado promissor para a bubalinocultura, a produção de lácteos é uma das grandes possibilidades de rendimento aos criadores. Altamente nutritivo, o leite de búfala tem 59% mais cálcio, 47% mais fósforo, 43% menos colesterol, é anticancerígeno, tem o dobro de ácido Linolêico, dobro de Ômega 3, além do maior teor de vitaminas A, D e B2. Mas para chegar a este patamar são necessários cuidados no manejo para extrair o melhor produto.

A técnica em manejo de bubalinocultura leiteira Angela Cristina Schirmer, parceira técnica da Associação Sulina de Criadores de Búfalos (Ascribu), reforça que os búfalos precisam de uma técnica de manejo diferenciada dos bovinos, porque pertencem a outra espécie, devendo receber outro tipo de cuidados. “É fundamental que haja sombra nas pastagens. O búfalo regula o calor corporal na sombra, água e lama. São menos tolerantes a radiação solar, pois possuem menos glândulas sudoríparas que os bovinos.”]

Angela destaca também a diferença entre as raças bubalinas. A Murrah, por exemplo, é originária da Índia tem uma produtividade leiteira entre 1,5 mil a 2,5 mil litros de leite por lactação, enquanto a raça Mediterrâneo, originária da Europa, apresenta características de corte e linhagem leiteiras. “A legítima muçarela italiana, considerada como um queijo mais refinado, se faz com apenas cinco a seis litros de leite de búfala, enquanto do bovino, por exemplo, é necessário em torno de 10 a 11 litros.”

Conforme a técnica, a produtividade da ordenha de leite de búfala é cada vez maior e tem agradado muito o paladar do consumidor final. Angela ressalta também que o rendimento do leite é fundamental para a agroindústria e pecuária familiar. “Em relação ao crescimento da bubalinocultura leiteira é muito otimista [a perspectiva] no Rio Grande do Sul. Podemos produzir em torno de 13 tipos de queijos com o leite industrializado e o rendimento do laticínio é bem superior ao bovino por ser um leite com maior número de sólidos totais.”

A Ascribu atua em parceria com a Emater para trabalhar o fomento do leite de búfala. O vice-presidente da entidade, Guilherme Giambastiani, diz que no Brasil inteiro o búfalo se destacou pelo leite e no Rio Grande do Sul a maioria dos produtores foi para a pecuária de corte.

“Hoje, temos dois produtores que suprem a Cooperbúfalo e um grande campo de crescimento para a búfala de leite, especialmente para a agricultura familiar. Se conseguirmos fomentar esta questão, conseguiremos dar visibilidade para a búfala e gerar renda ao produtor”, destaca o dirigente da Ascribu.

Segundo Giambastiani, diferente da carne, os derivados do leite de búfala têm uma demanda maior. “O que produz, vende. Vários laticínios de fora do estado olham para cá porque aqui tem grande consumo. É um produto que tem liquidez.”

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: