Nova ferramenta digital vai ajudar a controlar doenças de cabras e ovelhas

caprinos alisson cardoso embrapa
Foto: Alisson Cardoso/Embrapa

Uma nova ferramenta digital interativa vai oferecer ao setor produtivo informações sistematizadas sobre as principais doenças de caprinos e ovinos na Região Nordeste do Brasil. Denominado CIM Zoossanitário, o instrumento desenvolvido pela Embrapa Caprinos e Ovinos (CE), parceiros institucionais e produtores representa uma inovação na área de defesa sanitária, porque possibilita também analisar riscos e definir estratégias para controle de doenças já existentes e prevenção de novas.

O CIM Zoossanitário é o mais novo ambiente do Centro de Inteligência e Mercado de Caprinos e Ovinos (CIM), um sistema de inteligência territorial que permite compartilhar informações sobre pequenos ruminantes em nível mundial. Sua apresentação ao público será na terça-feira (19/11), durante o Semiárido Show, em Petrolina (PE).

A produção de caprinos e ovinos no Brasil é uma atividade de extrema importância para o Semiárido brasileiro, que concentra 90% dos rebanhos caprinos e 60% dos ovinos. A atividade abre possibilidades de mercados e gera desenvolvimento para sistemas de produção familiar, contribuindo para a segurança alimentar e inclusão produtiva das famílias. Entretanto, muitos dos sistemas de produção ainda são ambientes propícios à proliferação de doenças. A nova ferramenta digital é a resposta da ciência às demandas crescentes do mercado de alimentos por produtos que congreguem qualidade e sustentabilidade, incluindo cuidados relacionados à saúde e ao bem-estar animal.

De acordo com o pesquisador Selmo Fernandes, é importante que o criador tenha acesso a essas informações, porque as doenças causam grande impacto na produtividade dos rebanhos e necessitam de atenção quanto às formas de transmissão e disseminação. Por isso precisam ser notificadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). “São enfermidades que provocam a diminuição da produção de leite, mortalidade das crias, redução da vida útil dos animais, perda de peso, desvalorização da pele, aborto esporádico, além de se disseminarem rapidamente”, explica.

A supervisora do Núcleo Regional de Defesa Agropecuária do Norte, da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri), Iracelma Arruda, acredita que o setor produtivo carece de informações sobre as patologias que acometem os rebanhos e, na maioria das vezes, passam despercebidas porque não são identificadas pelos produtores. “Doenças de notificação compulsória não são informadas aos serviços veterinários oficiais e não são tratadas com a devida importância e cuidados necessários, colocando em risco, algumas vezes, a saúde pública. Acredito que o CIM Zoossanitário se constitui numa base sólida para a elaboração de programas de controle e erradicação de enfermidades”, afirma.

Zoneamento Zoossanitário

O pesquisador Raymundo Rizaldo explica que o Zoneamento Zoossanitário é uma ferramenta utilizada para determinar quais regiões, dentro de um determinado espaço geográfico, apresentam problemas sanitários e enfermidades, com o objetivo de se estabelecer estratégias de manejo, prevenção e controle de doenças, contribuindo para o desenvolvimento da cadeia produtiva. “Antecipar-se às perguntas e investigar o futuro, no que tange à questão da epidemiologia das enfermidades, é um processo contínuo em sanidade animal para caprinos e ovinos”, explica.

Segundo o chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa Caprinos e Ovinos, Cícero Lucena, os dados que estão sendo disponibilizados no CIM Zoossanitário congregam estudos que vêm sendo feitos há mais de dez anos e se intensificaram a partir de 2013, com o projeto realizado em parceria com o MAPA. Ele afirma que a equipe de sanidade animal está definindo estratégias para atualização e ampliação desse zoneamento como uma das prioridades da empresa.

Informações disponibilizadas

Os agentes das cadeias produtivas de caprinos e ovinos poderão ter acesso, inicialmente, ao zoneamento da prevalência de quatro doenças em sete estados da Região Nordeste (MA, PI, CE, RN, PB, AL e SE): artrite encefalite caprina (CAE), brucelose ovina, linfadenite caseosa e maedi-visna. Posteriormente, serão disponibilizadas informações sobre leptospirose, clamidiose, micoplasmose, toxoplasmose e neosporose.

Os dados são fruto do trabalho de pesquisa realizado pela Embrapa Caprinos e Ovinos, entre os anos de 2013 e 2019, que analisou 19.471 amostras sorológicas em 433 propriedades localizadas em 90 municípios de sete estados da Região Nordeste. A estruturação dos dados que compõem o CIM Zoossanitário, para disponibilizá-los ao público, foi realizada pela Embrapa Territorial (Campinas, SP).

Da Embrapa Caprinos e Ovinos

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: