Preço do leite ao produtor deve recuar entre 5% e 7% em novembro, indica Cepea

Foto: Alcides Okubo Filho/Embrapa

O preço do leite ao produtor em novembro, referente ao produto captado em outubro, pode cair entre 5% e 7% em relação ao mês anterior. É o que indica o Boletim do Leite de Novembro, divulgado nesta terça-feira 17 pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP.  Paralelamente, o setor convive com a alta 13,24% nos custos de produção no acumulado do ano (até outubro).

“A redução das cotações no campo esteve mais atrelada à pressão dos canais de distribuição sobre as negociações de lácteos com as indústrias, uma vez que o consumo esteve enfraquecido, em função dos altos patamares de preços atingidos pelos derivados nos últimos meses”, diz o Cepea.

Ainda de acordo com o centro de estudos, a valorização do concentrado continua sendo o principal impulso aos custos: em outubro, a alta foi de 6,71% e, nos 10 meses de 2020, de 26,5%.

Leia, abaixo, as avaliações dos analistas do Cepea sobre o comportamento do mercado do leite em outubro:

“Preço do leite captado em outubro e pago em novembro deve registrar queda

Natália Grigol

O preço do leite no campo deve fechar em queda em novembro, interrompendo, portanto, o movimento de alta que vem sendo verificado desde junho. Pesquisas do Cepea ainda em andamento apontam que a desvalorização do leite captado em outubro e recebido por produtores em novembro pode ficar entre 5% e 7% quando comparado ao mês anterior.

Os valores do leite no campo obedecem a uma tendência sazonal, relacionada às disponibilidades de chuvas e pastagem. Isso significa que, tipicamente, é esperado que, no fim do ano, ocorra essa inversão da tendência. No entanto, em 2020, a retomada da produção não tem ocorrido de forma intensa, já que as condições climáticas foram menos favoráveis. Mesmo assim, nas primeira e segunda quinzenas de outubro, houve maior oferta de leite spot (negociado entre indústrias) em Minas Gerais, de modo que a média mensal caiu 16,8% frente à de setembro/20, indo para R$ 2,23/litro.

Mas, de acordo com agentes consultados pelo Cepea, a redução das cotações no campo esteve mais atrelada à pressão dos canais de distribuição sobre as negociações de lácteos com as indústrias, uma vez que o consumo esteve enfraquecido, em função dos altos patamares de preços atingidos pelos derivados nos últimos meses. Como consequência, houve a diminuição dos preços médios de derivados importantes para a formação do preço ao produtor, como leite longa vida (UHT), muçarela e leite em pó em outubro. É importante destacar que, mesmo com estoques enxutos de lácteos, a valorização intensa de vários gêneros alimentícios nos últimos meses tem pesado sobre a decisão de consumo do brasileiro, o que também resulta em maior competição entre redes varejistas para atrair clientes com preços baixos.

Perspectivas

A grande dificuldade para o setor neste final de ano está em equalizar a demanda, sensível aos elevados patamares de preços dos lácteos, com a oferta que deve seguir restrita, já que a ocorrência de La Niña deve impactar negativamente a atividade leiteira nos próximos meses. Além disso, as expressivas altas dos custos de produção nos últimos meses (atreladas, sobretudo, à valorização dos grãos) impossibilitam investimentos na atividade, além de já comprometerem as margens dos produtores, visto que ocorrem em um momento muito sensível de redução da receita. Outro agravante para a situação é a valorização da arroba nos últimos meses, que acaba estimulando o abate de fêmeas. Assim, a produção de leite pode não se recuperar no verão, como em outros anos, o que pode frear o movimento de queda no campo.

Com nova alta em outubro, custos sobem mais de 13% no ano

Rodolfo Jordão

Os custos de produção da atividade leiteira subiram 3,18% entre setembro e outubro na “média Brasil” (BA, GO, MG, PR, RS, SC e SP) e, no ano (até outubro), o avanço já chega a 13,24%. A valorização do concentrado continua sendo o principal impulso aos custos: em outubro, a alta foi de 6,71% e, nos 10 meses de 2020, de 26,5%. Outro insumo que também contribuiu para este cenário foi a suplementação mineral, que registrou elevações de 2,27% e de 12,24% nos preços nos comparativos mensal e anual, respectivamente.

A valorização do concentrado, por sua vez, está atrelada aos altos patamares das cotações da soja e do milho. O Indicador da soja ESALQ/BM&FBovespa – Paranaguá) subiu 13,06% em outubro em relação a setembro, enquanto o Indicador do milho ESALQ/BM&FBovespa) avançou 21,06%. Os estados que tiveram as altas mais expressivas nos valores do concentrado em outubro foram Santa Catarina (12,33%), Bahia (11,16%) e Minas Gerais (10%).

Quanto à suplementação mineral, Goiás e Bahia registraram os aumentos mais significativos, de 6,11% e 4,9%, nessa ordem, em outubro. O aumento de 4,26% do dólar frente ao Real entre um mês e outro continuou valorizando o insumo para o pecuarista.

O preço do leite subiu 1,25% na “média Brasil” em outubro; no entanto, a forte valorização do milho piorou a relação de troca do pecuarista. No mês, para adquirir uma saca de 60 kg do milho foram necessários 33,68 litros de leite e, no mês anterior, 28 litros.

Lácteos se desvalorizam em outubro

Débora Zanatta e Beatriz Pina

Depois de registrarem consecutivas altas entre maio e setembro, as cotações dos derivados lácteos recebidas pelas indústrias recuaram em outubro, devido à maior pressão dos canais de distribuição por preços mais atrativos. Agentes consultados pelo Cepea afirmaram que as negociações mais truncadas em outubro se deram pela dificuldade da demanda em absorver a valorização dos lácteos, que atingiram patamares muito elevados nos últimos meses. Destaca-se, no entanto, que os estoques seguiram limitados, tendo em vista a baixa oferta de leite no campo, em função do menor volume de chuvas no período.

De acordo com as pesquisas realizadas pelo Cepea, com o apoio financeiro da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), os preços do leite longa vida, do queijo muçarela e do leite em pó (400g) comercializados no atacado de São Paulo recuaram 11,4%, 8,4% e 0,9% de setembro para outubro, respectivamente.

Ainda assim, as cotações permaneceram em patamares elevados quando comparadas às do mesmo período do ano anterior. O leite UHT foi negociado na média de R$ 3,14/litro em outubro, aumento real de

28,3% em relação à de outubro/19. O queijo muçarela e o leite em pó (400g) tiveram médias de R$ 26,75/ kg e de R$ 24,31/kg, respectivamente, sendo 28,3% e 45,1% acima das verificadas em outubro de 2019 (os valores foram deflacionados pelo IPCA de outubro/20).

Novembro

Pesquisas do Cepea apontam que, na primeira quinzena de novembro, a demanda por derivados seguiu enfraquecida. As médias parciais para novembro (considerando dados até 13/11) foram de R$ 2,95/litro para o leite UHT, de R$ 25,07/kg para o queijo muçarela e de R$ 23,47/kg para o leite em pó (400g), valores 6,2%, 5,8% e 3% menores que as respectivas médias mensais de outubro/20. Agentes consultados pelo Cepea informaram, contudo, que os estoques de derivados seguiram reduzidos, o que pode limitar o movimento de queda e/ou sustentar as cotações na segunda quinzena do mês.”

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta