Consultoria reduz projeção para as safras de milho e soja por efeitos da seca

Foto: Aprosoja Brasil

Da Reuters

A produção brasileira de soja 2020/21 deve atingir 128,34 milhões de toneladas, estimou a ARC Mercosul, reduzindo sua previsão em cerca de 800 mil toneladas em função dos efeitos da seca nas lavouras da oleaginosa, fato que também motivou um ajuste negativo nas expectativas para o milho.

A consultoria também baixou sua previsão para a área de plantio de soja a 38,25 milhões de hectares, ante 38,43 milhões de hectares vistos anteriormente.

“Tanto no Paraná quanto no Centro-Oeste como um todo, os produtores conseguiram compensar ou tirar grande parte do atraso causado pela seca em setembro. [Isso] não significa que a produtividade vai ser a mesma”, disse à Reuters o diretor da ARC, Alexandre Inácio.

Ele assinalou que em Mato Grosso, principal estado produtor da oleaginosa, as chuvas de setembro, necessárias para dar a largada na semeadura, ficaram 75% abaixo da média do ano passado – quando a temporada já teve um início mais seco.

Com disso, uma parcela das primeiras lavouras plantadas em 2020/21 não se desenvolveu e os produtores precisaram realizar replantio.

“Agora está chovendo, o que permitiu que a semeadura alcançasse os níveis do ano passado, mas as precipitações seguem irregulares e com volume menor. E o que vem pela frente também não nos anima”, comentou.

Inácio também ressaltou que em dezembro, com a chegada do verão, as temperaturas tendem a aumentar, o que criaria um novo problema para a produtividade, caso as chuvas sigam abaixo da média.

“A produtividade dos estados do Centro-Oeste como um todo tende a cair, porque a necessidade de água das plantas pode não ser condizente com as precipitações que estão previstas até o fim do ciclo”, explicou.

Produção de milho

No milho, a estimativa da ARC é de que a produção total do Brasil alcance 106,5 milhões de toneladas em 2020/21, volume abaixo da previsão anterior de 107 milhões de toneladas. A expectativa de área se manteve estável em 18,44 milhões de hectares.

“Acreditamos que algumas regiões devam ter um aumento da área plantada por conta dos preços, porém, em outras regiões também vamos encontrar uma queda de produtividade por conta do atraso no plantio da soja que compromete a janela de plantio da safrinha”, afirmou.

Ele explicou ainda que, se o plantio da segunda safra de milho ficar para fevereiro, aumenta muito o risco de não ter a chuva quando o cereal mais precisa, em meados de abril/maio, e compromete a produtividade.

“Mesmo assim, os preços estão muito bons e os sinais que temos é de que o produtor está disposto a correr mais riscos.”

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: