CNA: Produtor brasileiro tem compromisso com a sustentabilidade ambiental

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) defendeu, nesta segunda-feira (8), o comprometimento do produtor rural brasileiro com a sustentabilidade ambiental, durante os painéis do Dia do Agro na Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas (COP-26), em Glasgow, Escócia.

No painel “Pecuária Sustentável”, Muni Lourenço, vice-presidente da CNA e chefe da delegação da entidade na conferência, afirmou que o Brasil ocupa posição de destaque no mundo devido à produção de carne bovina com uso de tecnologias de baixa emissão de carbono.

“Somos um dos maiores produtores de carne bovina do mundo e temos potencial para ampliar essa produção com sustentabilidade ambiental, incorporando técnicas sustentáveis à cadeia produtiva”, disse, referindo-se ao Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono)

Lourenço, que também é presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea), destacou que a pecuária brasileira cumpre o Código Florestal, uma das legislações ambientais mais rígidas do mundo. Ao adotar as tecnologias ABC, pontuou, a cadeia produtiva tem alcançado resultados importantes.

Pecuária no Brasil

“Com as tecnologias de baixa emissão de carbono, a pecuária no Brasil tem permitido a redução da área de pastagens e aumentado o número de animais por hectare, além de dar oportunidade para o avanço dos sistemas integrados como a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF) e a redução dos gases de efeito estufa”.

Ele citou ainda iniciativas que o Sistema CNA/Senar desenvolve com diversos parceiros, como os projetos Paisagens Rurais e ABC Cerrado, que incentivaram os produtores rurais a aplicarem as tecnologias de baixa emissão de carbono.

O vice-presidente da CNA também falou sobre a importância do Plano ABC, que mitigou 170 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente em uma área de 52 milhões de hectares, 46,5% superior à meta prevista, que era de 163 milhões/35 milhões respectivamente.

“Os resultados do ABC mostram o esforço do pecuarista e o cumprimento com a agenda das mudanças climáticas e a eficiência produtiva da pecuária brasileira. Acreditamos que a adoção dessas tecnologias será acelerada com a aprovação os fundos de financiamento que estão sendo discutidos na COP”.

Agricultura sustentável

No painel “Agricultura Sustentável”, o produtor rural e presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Ricardo Arioli, mostrou o exemplo da sua propriedade em Mato Grosso, onde produz até três safras por ano graças ao investimento em tecnologias de baixa emissão de carbono.

Arioli assinalou que, com o Código Florestal, o agricultor que produz no Cerrado brasileiro, dentro da Amazônia Legal, precisa destinar 35% da sua propriedade para reserva legal e, mesmo o estado sendo o maior produtor de soja do país e responsável por 30% do grão produzido, utiliza apenas 10% do território para isso.

“Para alcançarmos a sustentabilidade da produção poupando floresta, aumentamos a produtividade, produzindo mais com menos, e fazendo o uso intensivo do solo com sistema plantio direto, com mais de uma safra por ano. Produzimos soja, depois da colheita plantamos o milho associado à pastagem e por último o boi safrinha para produção de carne”.

Para Arioli, o conceito de agricultura sustentável deve representar valor de mercado aos produtos do agro. “Os produtores brasileiros fizeram a diferença nos últimos 10 anos desde que o Código Florestal foi aprovado. Nos últimos 20 anos o Brasil conseguiu preservar mais de 58 milhões de hectares. Dizem que nós produtores somos os destruidores da Amazônia, mas é o contrário, estamos ajudando a protegê-la no Brasil”.

Paisagens rurais

O assessor técnico da Diretoria de Assistência Técnica e Gerencial do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Rafael Costa, apresentou exemplos de produtores rurais que participaram dos projetos ABC Cerrado e Fip Paisagens Rurais durante o painel “Agricultura sustentável como caminho para a preservação ambiental: o efeito poupa terra”.

Segundo Costa, os dois projetos contribuíram para o aumento da produtividade e da renda do produtor rural com a adoção das tecnologias de baixa emissão de carbono. A partir da capacitação e assistência técnica, produtores transformaram seu negócio e ajudaram a mitigar milhões de toneladas de dióxido de carbono, ressaltou.

“A tecnologia é muito importante porque é ela que alimenta a sustentabilidade. No ABC Cerrado, por exemplo, foram adotados 93 mil hectares com tecnologia, sendo 95% na recuperação de pastagens degradadas. Com isso, os produtores transformaram terras degradadas em terras produtivas, contribuindo para a redução das emissões dos gases de efeito estufa”.

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: