Projeto que altera registro de agroquímicos ameaça saúde pública, diz ABN

A Academia Brasileira de Neurologia (ABN) divulgou nota, nesta semana, criticando o Projeto de Lei 6299/02, que altera o registro de agroquímicos no Brasil. Segundo a instituição, o texto – já aprovado pela Câmara dos Deputados e em tramitação no Senado – representa riscos à saúde pública. No comunicado, a ABN diz ter confiança que os senadores “serão contrários a essa e a quaisquer outras proposituras que abram portas à liberação de produtos nocivos à saúde”.

Ainda de acordo com Academia Brasileira de Neurologia, a aprovação do PL pelo Senado resultará no aumento no uso de agrotóxicos, “e por consequência, flagrante retrocesso em saúde pública.” A ABN acrescenta: “O projeto embute iminente perigo de intoxicação àqueles que manuseiam agrotóxicos, assim como aos consumidores, além de risco para o desenvolvimento ou agravamento de uma série de doenças.

Em outro trecho da nota, a ABN alerta: “Na literatura médica, há fartas evidências de condições relacionadas ao contato/utilização de agrotóxicos. Entre elas, algumas doenças neurológicas, tais como doença de Parkinson, neuropatias periféricas, alterações neuropsiquiátricas. São, aliás, manifestações mais comuns entre pessoas que tiveram exposição a agrotóxicos”.

Leia, abaixo, a nota da ABN:

Projeto de lei que busca alterações na política de agrotóxicos é prejudicial para saúde e pode causar doenças neurológicas”

“A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6299/02, visando à alteração do registro de agrotóxicos no Brasil. Entre as mudanças, alija o Ministério do Meio Ambiente e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dos processos de fiscalização e análise, transferindo e centralizando as atribuições e responsabilidades no Ministério da Agricultura.

Classificado como “PL do Veneno” por entidades de defesa do meio ambiente, da saúde e inclusive por juristas, o projeto de lei possibilita a concessão de registro temporário para novos pedidos de comercialização de agrotóxicos no Brasil.

Ainda estabelece que, a partir de agora, o produto será nomeado pelo termo pesticida, e não mais de agrotóxico – colidindo com a definição outorgada pela Constituição Federal de 1988.

A Academia Brasileira de Neurologia (ABN) considera que o PL 6299/02, agora em análise do Senado Federal, acarretará grande aumento no uso de agrotóxicos, e por consequência, flagrante retrocesso em saúde pública. O projeto embute iminente perigo de intoxicação àqueles que manuseiam agrotóxicos, assim como aos consumidores, além de risco para o desenvolvimento ou agravamento de uma série de doenças.

Na literatura médica, há fartas evidências de condições relacionadas ao contato/utilização de agrotóxicos. Entre elas, algumas doenças neurológicas, tais como doença de Parkinson, neuropatias periféricas, alterações neuropsiquiátricas. São, aliás, manifestações mais comuns entre pessoas que tiveram exposição a agrotóxicos.

Existem inclusive estudos brasileiros recentes sobre essa relação: como o Occupational pesticide exposure and the risk of death in patients with Parkinson’s disease: an observational study in outhern Brazil, publicado na Environ Health, em 2020. Ao analisar o seguimento de 150 pacientes com doença de Parkinson, mostrou um aumento da mortalidade, em pacientes que tinham histórico de exposição ocupacional a agrotóxicos.

Diante do atual cenário e à luz da ciência, a ABN registra seu posicionamento aos cidadãos e aos parlamentares/governantes em todos os níveis.

Nossa compreensão é a de que a flexibilização da legislação, nos moldes do PL 6299/02, compromete e choca-se frontalmente com os direitos fundamentais, entre os quais o previsto pelo artigo 126 de nossa Carta Magna:

“A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

Aos senadores da República, registramos nossa preocupação, assim como a confiança de que serão contrários a essa e a quaisquer outras proposituras que abram portas à liberação de produtos nocivos à saúde.

São Paulo, 24 de fevereiro de 2022”

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: