Exportações brasileiras de carne de frango e de suínos recuam em julho

Foto: AEN/Divulgação

As exportações brasileiras de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) em julho somaram 405,3 mil toneladas, o que representa uma queda de 4,5% em relação ao mesmo mês de 2021, quando foram embarcadas 424,4 mil t.  Em receita, entretanto, houve aumento de 20,7%, com US$ 892 milhões neste ano, contra US$ 739,2 milhões em 2021. Os números foram divulgados nesta quinta-feira (4) pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Os Emirados Árabes Unidos assumiram, novamente, a liderança nas importações de carne de frango do Brasil. No mês passado, as compras daquele país totalizaram 37,8 mil toneladas, alta de 11% ao mesmo período de 2021.

Ainda segunda a ABPA, a China aparece em segundo lugar nas compras do produto brasileiro. Em julho, o mercado chinês importou 37,5 mil t (-40,5%). O terceiro lugar foi ocupado pela Arábia Saudita, com importações de 37,2 mil toneladas (+52,7%).

Outros destaques do mês foram Filipinas, com 21,8 mil t (+16,1%), Coreia do Sul, com 18,8 mil t (+79,4%) e Singapura, com 15,4 mil t (+93,2%).

“O resultado confirma as expectativas da ABPA de manutenção das exportações em patamares acima de 400 mil toneladas mensais até o final do ano”, disse o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

Acumulado do ano

No acumulado do ano (janeiro a julho), as exportações de carne de frango do Brasil alcançaram 2,828 milhões de t. O número supera em 6% as vendas externas do mesmo período de 2021, quando o país embarcou 2,668 milhões de toneladas.

Em receita, o resultado das exportações do ano foi de US$ 5,620 bilhões. Com isso, o faturamento do setor no acumulado de 2022 teve aumento de 33,3% na comparação os primeiros sete mês de 2021, quando atingiu US$ 4,216 bilhões.

Carne suína

Os embarques de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) também caíram em julho, de acordo com a ABPA. As vendas externas totalizaram 96,3 mil toneladas, recuo de 6,2% em relação ao mesmo mês de 2021, quando alcançaram 102,7 mil t.

Em divisas, as exportações somaram US$ 222,4 milhões em julho, com uma queda de 9,7% na comparação os US$ 246,4 milhões registrados no mesmo mês de 2021.

Principal destino das exportações brasileiras de carne suína, a China importou em julho 38,4 mil t (-24,4%). As Filipinas aparecem em segundo lugar, com importações de 8,2 mil t (+238,2%). Outros destaques foram Tailândia, com 5 mil t (+2149,7%) e Uruguai, com 4,1 mil t (+7,8%).

“Há um novo patamar nas vendas de carne suína para a China, em torno de 40 mil toneladas, que deve se manter nos próximos meses, acima dos volumes praticados no primeiro semestre deste ano”, observa Luís Rua, diretor de mercados da ABPA.

“Ao mesmo tempo”, acrescenta Rua, “vemos outros mercados ganharam protagonismo em 2022, como Filipinas, EUA, Tailândia e Japão.  Para esses países, temos destinado produtos de valor agregado mais elevado, o que manteve as exportações acima de 90 mil toneladas mensais desde março.”

Janeiro e julho

De janeiro a julho, as exportações de carne suína totalizaram 606,5 mil t, informa a ABPA. O volume é 8,9% menor do que o registrado no mesmo período de 2021, quando foram embarcadas 665,4 mil t.

A receita acumulada entre janeiro e julho deste ano chegou a US$ 1,337 bilhão, número 16,2% menor que o alcançado no mesmo período de 2021, quando foram obtidos US$ 1,596 bilhão.

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: