Produção brasileira de azeite de oliva deve crescer 42,8% em 2018

azeite oliva 7 1 18.jpg
Foto: Pixabay

A produção brasileira de azeite de oliva em 2018 deve alcançar 150 mil litros, com aumento de 42,8% ante os 105 mil litros do ano passado, segundo projeção do Instituto Brasileiro de Olivicultura (Ibraoliva).

Apesar da geada que afetou os pomares no Rio Grande do Sul, o aumento da produção de azeite será possível devido ao incremento da safra de azeitonas nos estados de Minas Gerais e de São Paulo.

“Nesses estados, a floração foi muito boa e a safra tende a ser positiva”, disse o presidente do Ibraoliva, Eudes Marchetti, ao Diário do Comércio&Indústria (DCI). A colheita terá início em meados de fevereiro e se estenderá até o mês de abril.

O RS deve produzir entre 50 e 55 mil litros de azeite de oliva, ante 55 mil litros de 2017, o que representará uma colheita de 400 a 450 mil quilos de azeitona. “As geadas foram muito fortes, o que causou um abortamento muito grande da fruta”, assinalou Marchetti.

Ele ainda salientou que, embora o número de pomares no estágio adulto tenha crescido, ainda representa apenas 40% de um total estimado em 6 mil hectares cultivados no país. Os outros 60% são considerados novos, com menos de seis anos. A oliveira começa a produzir no quarto ano, mas passa a produzir em sua capacidade máxima apenas após oito anos.

“Espero que em no máximo cinco anos tenhamos uma produção mais estável e com material genético mais adequado às nossas necessidades”, projetou Marchetti.

Importação

Mesmo que esteja crescendo, a produção brasileira ainda representa menos de 2% do consumo nacional, que é de 100 mil toneladas. O Brasil é o segundo maior importador do mundo e deve comprar, em 2017/2018, 60 mil toneladas do produto.

O azeite chega ao país custando em torno de R$ 40 a R$ 60 por litro, enquanto o brasileiro é vendido entre R$ 60 e R$ 100, no caso dos extra-virgens.

No mês passado, o Ibraoliva enviou ofício ao Ministério da Agricultura (Mapa) pedindo a proibição da importação de azeite de oliva a granel. A medida visa restringir a venda de produtos que tenham mistura de outros ingredientes.

O pedido foi feito após a divulgação pelo Ministério da Agricultura de uma lista de 64 marcas de 84 empresas que foram reprovadas em testes, no final de novembro, que apontaram indícios de fraude nos produtos. Na ocasião, 800 mil litros de azeite de oliva impróprios para consumo foram retirados do mercado.

“Queremos que seja permitida a entrada de, no máximo, latas de cinco litros, o que inibe a venda de produtos com irregularidades”, afirmou o presidente da entidade.

A maior parte do produto apontado como irregular, conforme Marchetti, é classificada como azeite lampante. Ele é extraído de azeitonas deterioradas ou fermentadas, com acidez superior a 2% e, em alguns casos, chega a ser vendido com óleo de soja. Entre março e novembro de 2017, foram importados 130 mil litros do produto no país.

A Ibraoliva informou não ter recebido retorno do Mapa quanto ao pedido e deve voltar a cobrar uma resposta ainda em janeiro. “Essa questão é séria, pois produtos de baixa qualidade estão sendo consumidor no país.”

A coordenadora-geral de Qualidade Vegetal do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal do Mapa, Fátima Parizzi, acredita, porém, que uma eventual restrição à importação de azeite a granel poderia ser questionada na Organização Mundial do Comércio (OMC).

“A importação está prevista em lei e criar uma barreira pode gerar retaliações”, ressaltou Fátima Parizzi.  A irregularidade, acrescentou, tem sido verificada no processo de envase do produto no Brasil e não no exterior. “Desde fevereiro do ano passado, a fiscalização foi intensificada e o produto só é liberado após o fornecimento de dados sobre onde será refinado, o que diminuiu a importação”, salientou.

Segundo ela, 40% do azeite fiscalizado no Brasil estava em conformidade em 2016 e 2017. “Nossa meta é que, em dois anos, possamos chegar a 90%.”

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: