Guerra comercial entre EUA e China incentiva plantio de soja na América do Sul

soja 17 10
Brasil e Argentina devem expandir área plantada da oleaginosa – RRRufino/Embrapa

O mercado de soja vive um período de perspectiva de oferta muito grande em meio a um contexto de guerra comercial entre EUA e China, o que vem prejudicando as exportações norte-americanas da oleaginosa e pressionando as suas cotações em Chicago. Ao mesmo tempo, estimativas apontam para o crescimento da área plantada com o grão na América do Sul, tanto no Brasil, quanto na Argentina, uma vez que a demanda chinesa pelo produto brasileiro está muito aquecida, e o país vizinho vem de uma quebra de safra, além de o governo ter anunciado mudanças nas taxas de exportações (retenciones), que podem beneficiar o cultivo da soja.

A avaliação consta de relatório da INTL FCStone, divulgado nesta quarta-feira (17). “Esse cenário da demanda pela soja norte-americana em comparação à da América do Sul, em especial a brasileira, acaba sendo um incentivo ao cultivo da oleaginosa, mesmo num contexto geral de oferta elevada, com estimativas de estoques mundiais em 110,04 milhões de toneladas, de acordo com o USDA”, assinala a consultoria.

A tarifa de 25% sobre a soja norte-americana importada pela China, que entrou em vigor no último dia 06/07, além de continuar pesando sobre os preços, já modificou as estimativas de exportações dos EUA para o ciclo 2018/19, atualmente em 56 milhões de toneladas, contra expectativa anterior de 62,3 milhões de toneladas.

“Não se espera que essa queda da demanda pelo grão norte-americano seja plenamente compensada pela compra em outros países, como o Brasil. A China está se ajustando para evitar ao máximo a compra de soja dos EUA, já tendo reduzido suas estimativas de importações para 84,66 milhões de toneladas, uma queda de pouco mais de 9 milhões de toneladas em relação ao número anterior e ao estimado pelo USDA”, explica a consultoria. Com isso, não somente os estoques dos EUA devem ser recordes como também os mundiais.

O principal ponto que pode modificar o cenário para as cotações da soja, com os preços no mercado doméstico voltando a ficar mais correlacionados com Chicago, é algum acordo entre China e EUA que suspenda a taxação de 25% imposta ao produto norte-americano, ou que o país asiático acabe importando volumes significativos de soja norte-americana, mesmo com a tarifa. Em novembro, ocorrerá a eleição de meio de mandato nos EUA, o que poderia resultar em perda de maioria do partido republicando, enfraquecendo o apoio às decisões de Donald Trump, em direção a uma maior reaproximação dos EUA com os chineses.

“Sem tarifas de importação, a China tenderia a voltar a comprar soja dos EUA, abrindo espaço para uma reação mais consistente dos preços em Chicago. Outra possibilidade seria ocorrer algum problema durante o desenvolvimento da safra da América do Sul, principalmente no Brasil, que restringisse a oferta de maneira significativa. Mas, por enquanto, as perspectivas são de um clima dentro da normalidade ao longo do desenvolvimento da safra no país”, observa a INTL FCStone.

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: