Abiarroz esclarece preços do arroz ao consumidor

A Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz), representante das indústrias e cooperativas de beneficiamento de arroz do país, está acompanhando o movimento de preços do arroz ao consumidor, decorrente do cenário atual de crise provocado pelo COVID-19.

A alta nos preços da matéria-prima foi deflagrada, em escala mundial, a partir da decretação de Pandemia pela Organização Mundial da Saúde – OMS, em meados do mês de março. Observou-se a partir de então um aumento significativo da demanda no mercado externo, o que, somado à restrição de oferta por alguns países exportadores, com vistas a assegurar o abastecimento interno, ocasionou a forte valorização do grão.

Acrescente-se ao aumento da demanda internacional, a elevação do câmbio que, além de tornar atrativas as exportações do arroz em casca brasileiro, praticamente inviabilizou as importações do produto dos parceiros do Mercosul – que tradicionalmente carreiam seus estoques para o Brasil.

Não obstante estejamos em plena safra, com estimativa de 58% de arroz colhido, verifica-se uma retração da oferta de matéria-prima por parte dos produtores, o que também tem contribuído para a elevação de preços no mercado interno.

Outro fator determinante para o movimento de preços observado é a pouca oferta de frete rodoviário, uma vez que o transporte de arroz depende, em situações normais, da movimentação de outras mercadorias que, dada a política de isolamento social, não estão circulando.

Muito embora as notícias veiculadas recentemente acerca do aumento nos preços do arroz, a Abiarroz está segura da postura ética e responsável de suas associadas diante da grave crise pela qual passamos. Com este espírito colaborativo é que muitas empresas do setor têm contribuído com doações visando a fazer chegar o alimento onde mais falta.

Entretanto, a indústria compõe apenas um elo de toda uma cadeia produtiva que, como qualquer outra, está sujeita à lei da oferta e demanda e às oscilações do preço internacional, de câmbio, logística, restrição de oferta da matéria-prima, apenas para citar alguns fatores que fogem ao alcance das indústrias e influenciam de forma determinante nos preços ao consumidor.

Os relatórios produzidos semanalmente pela Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB , órgão vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, corroboram o cenário de alta nos mercados interno e externo, prevendo um arrefecimento para os próximos meses, a depender da evolução dos condicionantes descritos anteriormente.

Seguimos acompanhando os movimentos de mercado, confiantes na atuação das nossas empresas e cientes do importante papel desempenhado pelo setor como desenvolvedor de atividade essencial. Esperamos que possamos superar rapidamente a Pandemia que nos afeta a todos e que acaba provocando distorções pontuais nos diversos segmentos produtivos.

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta