Vídeo: Escolha dos reprodutores é decisiva para o sistema de produção

Foto: Kadijah Suleiman/Embrapa

Reprodutor e matriz têm o mesmo valor genético, cada indivíduo contribui com a metade de seu genoma no processo reprodutivo. Entretanto, ao longo da vida reprodutiva, enquanto a vaca pode deixar entre seis e oito bezerros, uma média de um por ano, o touro pode ser pai de dezenas. Se o produtor rural fizer uso de inseminação artificial e não monta natural, esse número salta para casa de milhares.

Outro ponto a considerar como estratégia reprodutiva é a taxa de reposição. Ela é em média 20% para matrizes e touros. No entanto, enquanto para touros uma reserva ao redor de 2% já fornece um número suficiente de animais, para fêmeas é preciso mais da metade das filhas.

Assim, pode-se afirmar que o touro alavanca de 86% de todo o melhoramento que o pecuarista fará em seu plantel. Com tal investimento é possível progredir todo o rebanho.

Pesquisador da Embrapa em Campo Grande (MS) e especialista em melhoramento genético animal com mais de três décadas de experiência na área, Antonio Rosa fala sobre o assunto.

Da Embrapa

 

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta