Agricultor familiar terá crédito facilitado para compra de motos

moto campo pixabay 20
Foto: PIxabay

Produtores da agricultura familiar terão facilidade para financiar a compra de motocicletas a partir de 1º de julho. O crédito para a aquisição de motos será disponibilizado pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf Mais Alimentos), linha do Banco do Brasil, e terá prazo de até 10 anos, carência de três anos e taxas de juros que variam de 2,5% a 5,5% ao ano. A operação ficará em vigor até o dia 31 de dezembro de 2021. Atualmente, cerca de 4 milhões de famílias estão cadastradas do Pronaf.

O montante da linha de crédito será anunciado no lançamento do Plano Safra, no dia 6 de junho. “Manter os R$ 30 bilhões [valor do ano passado] já é de grande importância. O Ministério da Fazenda, com a crise pela qual o país passou no ano passado, tinha intenção de reduzir esse valor. Estamos brigando para que mantenha. A Fazenda nos garantiu que não faltará dinheiro para o Plano Safra”, disse o secretário especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, Jefferson Coriteac.

Hoje, quadriciclos, motores de popa e motores estacionários usados para transportar geradores de energia e moagem já são adquiridos pelo produtor rural por meio de linha de crédito especial.

Acordo de cooperação técnica para o crédito foi assinado na quinta-feira (17), em São Paulo, entre o governo federal e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e similares (Abraciclo).

Tração animal

Segundo Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, o uso mais comum da motocicleta, na lavoura, é em substituição à tração animal. Elas são utilizadas na aragem, inspeção, pulverização, transporte de rações, água, sementes e distribuição de adubo. E os quadriciclos ajudam no apoio ao transporte de máquinas agrícolas para pulverização ou no carregamento da colheita e semeadura, com a vantagem de ter alta capacidade de tração.

O secretário Jefferson Coriteac enfatizou que o governo tomou cuidado para que não ocorram desvios da finalidade no uso das motos. “São motos adaptadas para o manuseio na área rural, tocar o gado, fazer outras atividades”, disse, citando a substituição da tração animal.

De acordo com o secretário, outra finalidade do programa é combater o êxodo rural. “Queremos que o jovem do campo fique no campo. Que seus filhos criem seus filhos, seus netos e que a vida continue no campo.”

Da redação, com Agência Brasil

 

 

AGROEMDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: agroemdia@gmail.com - (61) 992446832

Um comentário em “Agricultor familiar terá crédito facilitado para compra de motos

  • 9 de agosto de 2018 em 16:15
    Permalink

    Parabéns pelas medidas adotadas, realmente precisamos não só diminuir o êxito rural como também provocar o inverso, voltar as famílias para o meio rural.
    Sugestao: financiar camionetas de até 1 tonelada para o agricultor familiar produtor de leite, pois o mesmo precisa de transportar rações, minerais, fertilizantes e corretivos, leite para tanques comunitários, e também a família para o lazer, missas e cultos religiosos, reuniões técnicas, ir a cidade resolver negócios na sua cooperativa, bancários e etc. ..
    Porque também seguindo o raciocínio de diminuir o êxodo rural, não financia construção e reforma de residências para o produtor e família, pois se um filho(a) se casa precisa de morar na propriedade, e hoje temos internet, TV por assinatura e celular para seu conforto e família. Financia armazéns, filhas, salas de ordenha, inclusive com cerâmicas, banheiros, mas não pode financiar casas, acho um absurdo pois temos que valorizar também a família.
    Atenciosamente,
    Nelsomar Pereira Fonseca
    Mutum MG.

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: