Tabela de frete terá resultado negativo para o país, segundo pesquisadores da Esalq-LOG

ebccamioneiros.jpg1
Foto: Agência/EBC/Arquivo

O tabelamento dos fretes rodoviários terá consequências graves para a sociedade brasileira, como o aumento na inflação, desabastecimento, redução na produção de alimentos, diminuição da renda do transportador e da oferta de postos de trabalho e possível queda do volume de exportações. Esse é o cenário que os brasileiros enfrentarão caso continue em vigor os preços tabelados para custos logísticos, aponta nota técnica elaborada pelos especialistas José Vicente Caixeta Filho e Thiago Guilherme Péra, do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (Esalq-LOG), da Universidade de São Paulo (USP).

 “Tabelar o preço dos fretes não é solução para alavancar os transportadores, pois pode piorar a situação do resto da economia”, diz Caixeta.

O documento ressalta que a tabela de fretes provocará aumento de custo de transporte, que posteriormente será repassado para o consumidor final, contribuindo diretamente para a alta dos preços de alimentos e produtos, com impacto na inflação.

Ainda conforme a nota técnica, o aumento no frete encarecerá insumos necessários à produção agropecuária. Ou seja, observam os especialistas, com o produtor menos capitalizado e o fertilizante mais caro, inevitavelmente haverá queda na produção de alimentos já na próxima safra.

“A redução da oferta na produção de grãos pode gerar uma situação de rearranjo comercial interno em muitas regiões do país, com consequente aumento de preços, o que acaba desencadeando um efeito cascata de repasse ao consumidor final, gerando maior inflação de alimentos”, enfatiza Caixeta.

Caminhoneiros

A tabela de fretes também terá desdobramentos negativos para os próprios caminhoneiros. A insegurança jurídica causada pela medida já trouxe desaceleração no mercado de grãos nas últimas semanas e até mesmo a paralisação total dos negócios em alguns locais.

“No médio prazo, com o aumento dos preços de fretes em decorrência do tabelamento, os embarcadores (donos da carga) poderão investir na aquisição de veículos para realizar as suas operações de transporte, contribuindo para reduzir a demanda de serviços de transporte terceirizados”, assinala Péra.

Outro fator preocupante, acentua a nota técnica, envolve a geração de emprego, num momento que o Brasil já registra consecutivas quedas na geração de postos de trabalhos. A crise dos fretes rodoviários pode piorar ainda mais esse cenário, na análise dos pesquisadores.

“A situação criada pelo tabelamento já tem se configurado como um redutor no número de serviços de transportes pelo país, devido à paralisação dos negócios na agricultura, inibindo a criação de novos empregos e podendo até colocar em risco a manutenção de postos de trabalho tradicionais da atividade”, enfatizam os pesquisadores da Esalq-LOG.

As exportações, importante impulsionadora da economia brasileira, principalmente em meio à pior crise da história do país, também sofrerão um duro golpe, preveem os especialistas.

“O aumento do preço do frete encarece ainda mais o chamado custo Brasil e reduz a competitividade das exportações do agronegócio, responsáveis pela geração de divisas significativas. O aumento do preço do frete reduz a vantagem comparativa em relação aos outros países, pois representa uma parcela significativa do preço de comercialização”, indica o estudo.

Soluções

Os especialistas apontam medidas que podem minimizar os impasses vividos pelo setor logístico, como a redução dos impostos sobre transportes, das tarifas de pedágio e dos preços dos combustíveis, além de promover uma renovação efetiva da frota brasileira.

Mais do que isso, na avaliação dos profissionais, é preciso uma agenda de Estado para infraestrutura de transportes e logística. “Temos de nos comprometer com essa tão esperada agenda para a logística, estabelecendo metas para a construção de ferrovias e dutovias, viabilizando o transporte fluvial e por cabotagem, além de privilegiar a melhoria da qualidade das estradas”, frisa o estudo.

Leia o documento completo em PDF.

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: