Não descuide da alimentação no Carnaval

comida vendedor ambulante agencia brasil
Cuidado com alimentos vendidas na rua, bares e restaurantes – Fernando Frazão/Agência Brasil 

Neste carnaval, não esqueça os cuidados com a alimentação para não problemas de saúde. Por isso, muita atenção com os alimentos que vai comer e com água e bebidas que irá ingerir em bares, restaurantes, barracas e food trucks. Também é recomendável ficar de olho nas comidas e bebidas vendidas por ambulantes e não esquecer de manter a higiene pessoal.       

Segundo o Ministério da Saúde, existem mais de 250 tipos de doenças transmitidas por alimentos (DTAs) no mundo. A maioria são infecções causadas por bactérias e suas toxinas, vírus e outros parasitas.

Por causa dos impactos das DTAs na saúde dos consumidores e nos serviços de assistência à saúde, a prevenção é fundamental, baseando-se no consumo de água e alimentos que atendam aos padrões de qualidade da legislação, cuidados com a higiene pessoal e com alimentos, além de condições adequadas de saneamento.

Para quem estiver nos festejos de rua, as recomendações básicas incluem lavar as mãos antes de comer, depois de ir ao banheiro e após o manuseio de objetos sujos, entre outras situações que possam causar infecções e contaminações.

Os ingredientes devem ser higienizados e as superfícies, utensílios e equipamentos usados na preparação também devem ser limpos e desinfetados.

Alimentos cozidos precisam estar na temperatura adequada antes do consumo (refrigerados ou aquecidos). Produtos já prontos devem ser protegidos de novas contaminações e mantidos sob rigoroso controle de tempo e temperatura: os alimentos quentes devem ser mantidos a 60°C ou mais e os frios em temperatura inferior a 5ºC. Itens perecíveis só podem permanecer em temperatura ambiente pelo tempo mínimo necessário para sua preparação.

Estabelecimentos limpos

Os estabelecimentos que comercializam comida e bebida (restaurantes, bufês, bares e lanchonetes) devem ser limpos e organizados, demonstrando cuidado com a qualidade. Manipuladores de alimentos devem estar em bom estado de saúde e usar proteção no cabelo, como redes ou toucas. Se for um self-service, deve haver uma barreira de proteção no balcão de distribuição, o que evita a contaminação pelos próprios clientes, enquanto se servem.

Repare se os alimentos crus e cozidos estão armazenados em recipientes tampados e separados, medida que previne a contaminação cruzada. Isso porque produtos como carnes, peixes e verduras podem conter micróbios perigosos e transferi-los para outros alimentos durante o preparo.

Ambulantes

Na rua, preste atenção aos quesitos de limpeza, acondicionamento, aspecto e embalagem do alimento, bem como à apresentação pessoal dos ambulantes. A recomendação, portanto, é atentar ao prazo de validade, ao acondicionamento e às condições físicas dos alimentos (aparência, consistência, odor).

Também é recomendável evitar alimentos malcozidos ou mal-assados (carnes e derivados) e preparações culinárias que contêm ovos crus (gemada, ovo frito mole, maionese caseira). Seja qual for o local da compra, os alimentos devem estar fora do alcance de insetos, roedores e outros animais.

Caso verifique alguma irregularidade, comunique à Vigilância Sanitária mais próxima. Confira nos links abaixo os contatos das Vigilâncias nos estados e nas capitais.

Vigilâncias Sanitárias estaduais

Vigilâncias Sanitárias nas capitais

Causas, diagnóstico e tratamento

De acordo com informações do Ministério da Saúde, no Brasil são notificados em média, por ano, 700 surtos de doenças transmitidas por alimentos, com 13 mil doentes e dez óbitos. A maioria das doenças é causada por bactérias (principalmente por Salmonella, Escherichia coli e Staphylococcus). Mas também há surtos provocados por vírus (rotavírus e norovírus) e, em menor proporção, por substâncias químicas.

Os sintomas mais comuns dessas doenças são: náuseas, vômitos, dores abdominais, diarreia, falta de apetite e febre. O diagnóstico é feito conforme cada caso, segundo os sintomas dos pacientes e por exames laboratoriais específicos. Geralmente, o tratamento é baseado em medidas de suporte para evitar a desidratação e o óbito.

Da Anvisa, com redação

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: