DF quer ser a vitrine global do agro brasileiro, diz secretário de Agricultura

dilson resende secretaria agricultura df _ Vinícius de Melo _ Agência Brasília.
Dilson Resende, secretário de Agricultura do Distrito Federal –  Vinícius de Melo/Agência Brasília

Da redação/AGROemDIA

O governo Ibaneis quer transformar o Distrito Federal na vitrine internacional do agronegócio brasileiro. A meta faz parte da estratégia de impulsionar ainda mais o setor agrícola local para elevá-lo à condição de cartão-postal do Brasil, revelou ao AGROemDIA o secretário de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do DF, Dilson Resende de Almeida. A ideia é atrair um número cada vez maior de missões governamentais e empresariais de países importadores para que conheçam o panorama do agro nacional a partir de Brasília. 

Embora tenha uma área rural pequena em comparação com os 26 estados – cerca de 3 mil km² –, o DF tem uma agropecuária diversificada, tecnificada e com altos índices de produtividade, destaca o secretário. Além disso, sedia os ministérios da Agricultura e empresas vinculadas (Embrapa e Conab), do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Regional.

Leia também: Secretaria de Agricultura do DF prioriza desburocratização e regularização fundiária

Esse cenário, do qual também fazem parte a própria Seagri-DF, a Emater-DF, a Ceasa-DF, a UnB, a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Organização das Cooperativas Brasileiras ()CB), as sedes de entidades representativas do agro, as representações de organismos internacionais e as embaixadas, é ideal para que o DF seja o cartão-postal do agro brasileiro, avalia o governo Ibaneis.

“Nossa agricultura é referência em termos de produtividade. A maior parte da soja produzida aqui, por exemplo, é comercializada para ser usada como sementes em outras localidades”, diz Dilson Resende. “O nosso trigo, além da alta produtividade, tem a melhor qualidade do país para uso na panificação.” A tecnologia, inovação e pesquisa agropecuária também se sobressaem no DF.

A área rural do DF tem ainda plantações de milho, feijão e sorgo, entre outros grãos e oleaginosas. Outra atividade que se destaca pela qualidade é a cafeicultura. Já a pecuária envolve as cadeias da bovinocultura de corte e leite, suinocultura, avicultura, caprinocultura, ovinocultura, cunicultura, piscicultura e apicultura.

Clima tropical e altitude

O clima tropical e a altitude do DF favorecem igualmente o desenvolvimento da fruticultura, que está em crescimento, observa o secretário. O DF produz, entre outras frutas, goiaba, morango, maracujá, banana, laranja, limão e tangerina. “E já há produtores fazendo cultivo experimental de uva.”

“Também temos uma olericultura forte, com grande produção de pimentão e folhagens. Estas praticamente suprem a necessidade do mercado local”, pontua Dilson Resende. Alface, batata, beterraba, cenoura, milho verde, tomate e repolho são os produtos mais cultivados nesse setor, conforme dados da Emater-DF.

Além da agricultura convencional, o DF é um polo reconhecido de produção orgânica e agroecológica. Esses dois sistemas de cultivo de alimentos despertam cada vez mais o interesse entre os consumidores com maior poder aquisitivo. Por abrigar o Executivo, Legislativo e Judiciário, o DF tem significativa parcela da população nas classes média e alta.

DCIM100MEDIADJI_0040.JPG
AgroBrasília já é a quarta maior feira de tecnologia do país – Divulgação

Dilson Resende também inclui a AgroBrasília como um dos pontos favoráveis à proposta de transformar a capital da República na vitrine do agro nacional. “A AgroBrasília já é a quarta maior feira tecnologia do agronegócio do país e ainda tem mostra de genética de ponta. No ano passado, realizou negócios de cerca de R$ 1,1 bilhão.”

Com objetivo de criar um ambiente que reflita ainda mais a pujança no agro local e nacional, a Seagri-DF pretende revitalizar o Parque de Exposições Agropecuárias Granja do Torto. Conforme o secretário, a proposta é conceder a administração da área de 74 hectares ao setor privado, por meio de contrato de serviço social autônomo.

“Estamos buscando parcerias para termos os investimentos necessários à modernização das instalações do Parque de Exposições”, informa Dilson Resende. O espaço, acrescenta, deve servir não só para feiras pecuárias, mas também para capacitação de produtores, extensionistas, técnicos agrícolas, zootecnistas, veterinários e demais profissionais do setor.

Infraestrutura e serviços

O secretário aponta a infraestrutura aeroportuária, rodoviária e hoteleira do DF como outro fator que permite ao DF ambicionar a condição de vitrine do agro nacional. “O governador Ibaneis já conversou com a ministra Tereza Cristina [Agricultura] a esse respeito.”

A intenção é que as visitas de delegações de governos e empresários estrangeiros interessados em conhecer a agropecuária nacional comecem por Brasília. Nesse caso, a pequena área total do DF – 5 779,999 km² – é uma grande vantagem em relação aos estados, pois permitiria aos visitantes percorrer as áreas de produção rural sem ter que fazer longas viagens.

 

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Um comentário em “DF quer ser a vitrine global do agro brasileiro, diz secretário de Agricultura

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: