Bolsonoro, a coragem de enfrentar a canalhice e a covardia

gil reis print screen camara
Gil Reis é consultor na área do agronegócio – Reprodução/Youtube

Gil Reis*

A Rede Globo reafirmou seu caráter golpista na sua tentativa de envolver o presidente Jair Bolsonaro nas execuções da vereadora Marielle Franco, do PSOL, e do motorista delas, Anderson Gomes, ocorridos em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro. A intenção desse jornalismo canalha – como definiu o próprio Bolsonaro – é desestabilizar o governo, algo em que a Globo tem larga experiência, como mostra a história brasileira.

O jornalismo exige de seus profissionais e dos veículos de comunicação rigor na apuração dos fatos, a fim de que possam bem informar a população. A citação ao nome do presidente no inquérito que investiga o crime, feita por um porteiro do condomínio onde morava Bolsonaro na Barra da Tijuca, exigiria uma apuração mais aprofundado antes de ser noticiada.

Em vez disso, a Globo tratou de divulgar o depoimento, embora soubesse que as informações vazadas fazem parte de um processo que tramita em segredo de justiça. O depoimento ao qual o jornalismo canalha da Globo, como diz Bolsonaro, teve acesso ainda está em análise pelo Judiciário. Aliás, tudo indica que é mais um depoimento voltado a tumultuar a própria investigação, a fim de impedir o esclarecimento do caso.

Aos fatos reportados pelo jornalismo canalha da Globo, nas palavras de Bolsonaro. No depoimento, o porteiro disse que, horas antes do crime, um dos acusados – Élcio Queiroz – chegou ao condomínio dizendo que iria na casa de Bolsonaro, mas acabou indo à casa de Ronnie Lessa, outro suspeito de envolvimento nas execuções, no mesmo condomínio.

Detalhe: naquele dia 14 de março 2018, nos horários apontados, como constatou a própria Globo, Bolsonaro, então deputado federal pelo RJ, estava na Câmara Federal, em Brasília. O mais provável, portanto, é que tenham citado o nome do presidente com o propósito de tornar ainda mais nebulosa a investigação, levando-a a lugar nenhum, ao chamado crime insolúvel, o que parece ser o desejo dos seus verdadeiros autores e mandantes.

Por tudo isso, o mínimo que a Globo deveria ter feito era ouvir o próprio Bolsonaro a respeito do depoimento, uma vez que uma equipe de repórteres acompanha o presidente em sua viagem à Ásia e ao Oriente Médio. Que nada. Limitou-se a entrevistar o advogado do presidente, que rechaçou a teor do depoimento.

O cidadão Bolsonaro, como qualquer um de nós, merece ser respeitado em sua dignidade pessoal. Por mais que isso posso desgostar à Rede Globo, hoje ele é o presidente do Brasil, eleito pela maioria da população através do voto livre e direto.

Arranhar levianamente a imagem de Bolsonaro é apostar no desgaste interno e mundial do governo brasileiro, como parte da campanha deflagrada pela Globo desde sua posse para ejetá-lo do Palácio do Planalto.

Bolsonaro reagiu, como qualquer um de nós reagiria, contra um grupo de que tenta desestabilizar seu governo”

Divulgar um fato sem comprovação em um momento em que o presidente está em uma missão à Ásia e ao Oriente Médio, buscando investimentos para o país, é de um ato covarde que só podia partir mesmo de onde saiu: da Globo, cujo jornalismo parecer ser um meio de influenciar a opinião pública, em vez de informá-la corretamente.

Hoje, 30 de outubro, às 4h da madrugada no horário da Arábia Saudita, vi o cidadão Bolsonaro, pai de família, despido dos protocolos do cargo merecidamente conquistado, chegar ao limite de tolerância depois de 10 meses de apedrejamento, investigações e achincalhamento numa campanha solerte jamais vista contra um  presidente no exercício do cargo desde a queda do Império.

Sim, Bolsonaro perdeu as estribeiras com a Globo em live veiculada no Facebook. Com inteira razão. Reagiu, como qualquer um de nós reagiria, contra um grupo de que tenta desestabilizar seu governo para jogar o país mais uma vez no caos justamente quando a economia começa a dar sinais de recuperação.

Estava na China e testemunhei as homenagens prestadas a Bolsonaro pelo governo daquele país. Uma recepção que dá a dimensão do respeito do governo chinês pelo presidente brasileiro. Poucas vezes vi um presidente de um país do Ocidente ter tanto prestígio na China como Bolsonaro.  Testemunhei também o rigor de sua agenda, sofri a metade do que ele vem sofrendo com os fusos horários.

Diante do desgaste da própria viagem – uma verdadeira maratona – e da covardia a que foi submetido, é natural que Bolsonaro tenha reagido com firmeza e indignação. Ou reage ou é engolido pela máquina de destruir reputações da Globo, que pela primeira vez é obrigada a conviver com um presidente que não teme seu poder nem lhe enche os cofres com o dinheiro da publicidade estatal, algo que parece estar incomodando demais os seus donos da rede de comunicação que há 50 anos tumultua a vida nacional para fazer valer seus interesses.

Não se intimide, presidente. Conte o apoio do agro.

*Consultor em agronegócio

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: