Exportações brasileiras de tilápia batem recorde em 2021

Foto: Manoel Pedroza/Embrapa

As vendas de tilápia brasileira para o exterior tiveram recorde histórico em 2021. Foram embarcadas 4.285 toneladas, equivalentes a US$ 14 milhões. Em 2020, haviam sido exportadas 1.537 t. Os dados constam do ebook “TUDO sobre a balança comercial de pescado em 2021”, produzido pelo Painel do Pescado – um dashboard estatístico com dados do Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex).

Pela primeira vez desde o início da série avaliada pela plataforma (1997), os exportadores de tilápia embarcaram 954 toneladas apenas em dezembro, um desempenho inédito. Os filés de tilápia já se tornaram o principal item de exportação na categoria filé, com receitas de US$ 7,623 milhões, equivalentes a 1.275 toneladas. Isso resultou em um crescimento de 44% em volume.

Entre os produtos da cesta completa de pescado enviados ao exterior, os Estados Unidos foram o principal destino das exportações. Os norte-americanos compraram 24 mil toneladas de pescado brasileiro, volume pelo qual pagaram US$ 217 milhões – 57% a mais do que gastaram em 2020.

Já a China, segundo cliente global do país, comprou 5,5 mil toneladas, 4% mais em relação ao ano passado. Por esse volume, gastou US$ 41,1 milhões, aumento de 67,8% ante 2020. O crescimento se deve ao incremento das exportações de lagostas, produto com valor agregado mais alto que a média dos demais produtos.

Entre os que importaram mais de US$ 1 milhão no ano, a Venezuela foi o país que mais aumentou compras em 2021: as 651 toneladas representaram alta de 416,6% no volume exportado, basicamente conservas provenientes de uma grande multinacional situada no Ceará.

A República Dominicana vem na sequência, com 329,2% de aumento das divisas por conta da aquisição de pargos. O Canadá e o Japão também se destacaram com crescimentos de 170,5%% e 157,1%, respectivamente.

As lagostas lideraram as exportações brasileiras de pescado até dezembro, com um total de 2.921 t vendidas a US$ 117 milhões – alta de 55% no faturamento –, muito embora tenha registrado 9,4% de aumento no volume.

As caudas de lagosta que seguem para os EUA tiveram aumento no preço médio de 56,8%, saltando de US$ 35.315/t para US$ 55.390/t. Apesar de os EUA e a China corresponderem a 85% de tudo o que foi exportado nesta categoria, o maior crescimento proporcional ocorreu no Canadá, que não havia comprado nada em 2020 e saltou para 11,9 toneladas de lagostas.

Déficit menor

Um dos destaques do ebook é o aumento contínuo das exportações ao longo dos últimos 10 anos, de 36 mil t para 50 mil t. Os embarques reduziram o desequilíbrio da balança comercial brasileira de pescado. Nos últimos três anos, o déficit tem ficado abaixo de US$ 1 bilhão. A diferença entre importações e exportações em 2021 foi de US$ 820 milhões. No pico do déficit comercial, em 2014, era de US$ 1,34 bilhão.

Já as importações oscilaram durante a década em volumes entre 300 mil t e 400 mil t. No ano passado, os fornecedores estrangeiros enviaram 316 mil t ao Brasil, o que denota uma lenta redução em curso. O ápice histórico das compras externas aconteceu em 2013, quando o Brasil adquiriu 418 mil t.

O Chile e os 10 principais países fornecedores em volume representam 95% das importações, somando 299,6 toneladas. De cada 3 kg de pescado importado, 1 kg foi de salmão chileno – este produto apurou um aumento nada simbólico de 59% no valor pago no período, fechando 2021 a US$ 6.599/tonelada.

A Argentina, que já despachou 92 mil t ao Brasil no início da série histórica, teve em 2021 desempenho três vezes menor com uma pauta concentrada na merluza. O produto integra a categoria de filés brancos congelados, muito popular no varejo brasileiro, mas que vem perdendo espaço para a tilápia nacional.

Entre os asiáticos, o Vietnã embarcou 28,5 mil t de filé de pangasius para o Brasil em 2021, contra 22,4 mil t em 2020 – ascensão de 27%. Depois de atingir um pico de 93,4 mil t em 2013, os embarques da China iniciaram uma trajetória descendente a um ritmo de -10,3% ao ano e chegaram no ano passado a 16,3 mil t.

 

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: