CNA defenderá na COP26 regras claras para o mercado de carbono

Foto: Divulgação/CNA

Definições objetivas sobre o mercado de carbono; adoção do plano de ação, negociado em Koronívia, sobre a inserção da agropecuária frente ao Acordo de Paris; financiamento para o cumprimento do Acordo de Paris; implementação de mecanismos focados em adaptação; e produção e preservação pautadas pela ciência e pela legalidade. Estas são as propostas que a CNA defenderá, como representante da agropecuária brasileira, durante a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26), em Glasgow, na Escócia.

O Brasil é signatário do acordo e tem como metas reduzir as emissões de gases do efeito estufa em 37%, até 2025, 43% até 2030, e a neutralidade de carbono até 2050.

A delegação da CNA estará em Glasgow durante os 12 dias da conferência e será chefiada por seu vice-presidente e presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea) e da Comissão Nacional de Meio Ambiente da CNA, Muni Lourenço.

Em relação ao mercado de carbono, previsto no Artigo 6º do Acordo de Paris, a CNA destaca que são necessárias regras claras para promover projetos que gerem créditos certificados de carbono, no setor agropecuário, com foco no cumprimento da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil.

Sobre Koronivia, a confederação sugere a criação de um plano de ação, visando uma fase de implementação de ações e projetos, de acordo com as ações propostas pelos países em suas NDCs, o que permitiria o avanço em questões pendentes da agenda de agricultura e mudanças climáticas.

O documento também destaca o financiamento das ações para o cumprimento do Acordo de Paris. A CNA defende que os países considerados os maiores emissores devem financiar, por meio de projetos de cooperação, doações ou transferência de tecnologias, as ações de redução e adaptação de outros países.

Quanto à adaptação às mudanças climáticas, a CNA acredita que as ações podem ser incentivadas por meio de recursos dos fundos, como, por exemplo, a adoção de tecnologias de baixa emissão de carbono, boas práticas, assistência técnica, regularização fundiária e ambiental, pesquisa e monitoramento.

No que se refere ao desenvolvimento sustentável do setor agropecuário, a CNA reitera que a produção e a preservação sempre foram pautadas pela ciência e legalidade, tendo como principal instrumento normativo o Novo Código Florestal, uma das legislações mais rígidas do mundo.

Clique aqui para mais informações sobre o posicionamento que a CNA defenderá na COP26.

AGROemDIA

O AGROemDIA é um site especializado no agrojornalismo, produzido por jornalistas com anos de experiência na cobertura do agro. Seu foco é a agropecuária, a agroindústria, a agricultura urbana, a agroecologia, a agricultura orgânica, a assistência técnica e a extensão rural, o cooperativismo, o meio ambiente, a pesquisa e a inovação tecnológica, o comércio exterior e as políticas públicas voltadas ao setor. O AGROemDIA é produzido em Brasília. E-mail: contato@agroemdia.com.br - (61) 99244.6832

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: